Após casos anti-islã no Brasil, iG foi às ruas e enfrentou olhares tortos, piadas e ofensas contra os véus islâmicos; assista

Os ataques de extremistas pelo mundo, como a recente chacina na sede do jornal Charlie Hebdo , despertaram um movimento anti-islã no Brasil. Muçulmanas brasileiras relataram ao iG , em reportagem publicada no domingo (25), que levaram pedradas, foram cuspidas e insultadas  após o último caso. Por isso, durante dois dias, a repórter Carolina Garcia usou dois véus islâmicos - o niqab e o hijab - e flagrou reações dos pedestres em São Paulo.

A experiência contou com a participação de Sarah Ghuraba, professora de teatro que foi apedrejada uma semana após a tragédia na França. Ela falou pela primeira vez sobre o caso em vídeo, com exclusividade para o  iG . Ao fazer fotos e vídeos escondidos, com falas de "É carnaval?" e ofensas sussurradas, brasileiros têm postura agressiva diante da curiosidade.  Assista à videorreportagem:

Entenda:  mulheres muçulmanas são agredidas com cuspidas e pedradas


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.