Chuvas elevam níveis de reservatórios que atendem cidades da Grande São Paulo

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Sistema Cantareira, principal reservatório da capital e que atende a mais de seis milhões de pessoas, teve nova queda

Agência Brasil

Cinco dos seis sistemas que abastecem a Grande São Paulo registraram aumento no volume armazenado hoje (23), conforme informação da Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo (Sabesp), empresa que administra os sistemas. As elevações dos níveis ocorreram após um dia chuvoso em toda a região.

O Sistema Cantareira, principal da capital e que atende a mais de seis milhões de pessoas, teve nova queda. Ontem (22), o nível alcançou 5,4%. Hoje, baixou para 5,3%. A precipitação na região dos reservatórios atingiu 0,6 milímetros (mm). Desde o início de janeiro, choveu 64,9 mm, enquanto a média histórica para o mês é 271,1 mm.

Agência federal fixa novo limite para captação de água no Sistema Cantareira

Em menos de uma semana, São Paulo registra dois recordes de calor

No Sistema Rio Grande, que abastece os municípios de Diadema, São Bernardo do Campo e parte de Santo André, foram registrados 31,2 mm de chuva. Com isso, o nível dos reservatórios subiu de 69,1% , marca de ontem, para 70,3%.

A capacidade do Sistema Alto Tietê aumentou de 10,1% para 10,3%. As últimas chuvas registraram a marca de 13,3 mm. No acumulado do mês, o registro é 54,9 mm. A média para janeiro nos reservatórios é 251,5 mm. Além da zona leste paulistana, eles atendem mais nove cidades.

O Sistema Guarapiranga teve elevação de 0,4 ponto percentual no volume de água e está com 38,5% da capacidade. Este mês, os reservatórios receberam 152,6 mm de chuva. A média histórica para janeiro no sistema é 229,3 mm. O sistema atende a zona sul de São Paulo.

O Alto Cotia está com 28,5% da capacidade. Ontem, estava com 27,9%. A elevação ocorreu após a chuva de 20,4 mm, um terço dos 63 mm registrados ao longo do mês. Para janeiro, a média de chuva nos reservatórios é 232 mm. Essas represas fornecem água para as cidades de Cotia, Embu, Itapecerica da Serra, Embu-Guaçu e Vargem Grande.

No Sistema Rio Claro as chuvas também alcançaram 20 mm, elevando o nível das represas de 24,9% para 30,6%. A média de chuva para janeiro é 298,9 mm. Até o momento, foram registrados 144,7 mm. O sistema atende parte da zona leste da capital e  os municípios de Ribeirão Pires, Mauá e Santo André.

Vaca caminha pela Represa Jacareí, no dia 29 de janeiro: normalmente ali teria água. Foto: Futura PressSituação calamitosa da Represa Jacareí, parte do Sistema Cantareira, no dia 29 de janeiro. Foto: Futura PressCarro no meio na Atibainha devido ao baixo nível da represa: cenário desolador. Foto: Futura PressPedalinhos inutilizados na Represa Atibainha, parte do Cantareira, em janeiro. Foto: Futura PressRepresa Atibainha, em janeiro de 2015. Foto: Futura PressLixo surge na Represa de Atibainha, em janeiro. Foto: Futura PressEm protesto contra a falta de água, governador Geraldo Alckmin é ironizado por manifestantes (26/01/2015). Foto: AP PhotoEm São Paulo, moradores organizaram uma passeata contra a falta de água. Foto: AP PhotoMoradores protestam contra a falta de água em São Paulo (26/01/2015). Foto: AP PhotoProtesto 'Banho Coletivo na casa do Alckmin', na manhã desta segunda-feira (23), em frente ao Palácio dos Bandeirantes. Foto: Futura PressFalta de água em São Paulo se agrava e motiva protestos . Foto: AP PhotoRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em setembro; veja mais imagens da situação dos reservatórios do Sistema Cantareira. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura PressSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis


Leia tudo sobre: cantareirasecacrise hídricasistema cantareira

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas