"Invadiram o fórum com facões, foices e bombas", diz juiz jurado de morte no MA

Por David Shalom , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo investigação preliminar, candidato derrotado nas eleições municipais de 2012 pode ser o mandante do crime

Computadores em chamas em sala do fórum após invasão dos agressores, na segunda-feira
Correio Buritiense/Reprodução
Computadores em chamas em sala do fórum após invasão dos agressores, na segunda-feira

Um juiz do interior do Maranhão viveu momentos de terror no final da tarde de segunda-feira (19). Após confirmar a decisão de um processo, Jorge Luiz Antônio Salles Leite viu o fórum do qual é magistrado titular ser invadido por cerca de uma dezena de homens armados, que destruíram equipamentos, documentos e quase assassinaram ele e outros funcionários.

"De repente, essas pessoas, armadas com facas, foices, facões e coquetéis-molotov, entraram com violência no fórum, já tacando fogo em tudo", conta ao iG Salles Leite, juiz do fórum que abriga a 25ª zona eleitoral da Comarca de Buriti, pequeno município localizado a 314 quilômetros da capital maranhense, São Luís. "Era um dia normal de trabalho no fórum. Tinha dado duas decisões pela manhã e, aí, aconteceu."

Leia também:
Número de homicídios cresce 460% em 13 anos no Maranhão
Matança em Pedrinhas é "pena de morte" por exigências não cumpridas, diz juiz
Povoado vizinho de Pedrinhas reflete violência do Maranhão

Os casos aos quais o magistrado se refere são dois processos em que o segundo colocado das eleições municipais de 2012, Nivaldo Batista, pedia a retirada do cargo do mandatário eleito, Rafael Mesquita Brasil, por supostas irregularidades na campanha. Salles Leite considerou que não havia provas suficientes para a cassação do atual chefe do Executivo, que superou o adversário em apenas 800 votos na ocasião.

A investigação preliminar aponta Lourival Batista, irmão do candidato derrotado, como o executor da ação, na qual os agressores quebraram vidros, atearam fogo em urnas eletrônicas e queimaram ao menos 50 processos criminais. Lourival e outros quatro participantes da ação estão foragidos – cinco foram presos. Alguns têm passagem por outros crimes.

A polícia suspeita que o vice-colocado nas eleições, Nivaldo Batista, possa ser o mandante do crime. Ele também está foragido.

Veja fotos da destruição causada pelos agressores:

Moradores da pequena Buriti (MA) observam incêndio no Fórum da cidade, na segunda-feira (21). Foto: Correio Buritiense/ReproduçãoRotina da pequena cidade de 27,4 mil habitantes viram sua rotina alterada pela ação intimidatória de criminosos. Foto: Correio Buritiense/ReproduçãoNa ação, cerca de dez criminosos invadiram o fórum ateando fogo em computadores e documentos. Foto: Correio Buritiense/ReproduçãoUrnas eleitorais também foram destruídas. Foto: Correio Buritiense/ReproduçãoOs criminosos tinham o objetivo de atacar o juiz titular da Comarca de Buriti, que foi jurado de morte. Foto: Correio Buritiense/ReproduçãoQuem pedia a cassação era o vice-colocado das eleições municipais de 2012, que perdeu o pleito por 800 votos. Foto: Correio Buritiense/ReproduçãoO executor da ação foi reconhecido pelo juiz e funcionários como sendo irmão do candidato derrotado. Foto: Correio Buritiense/ReproduçãoO acusado foi identificado como Lourival Batista; ele está foragido. Foto: Correio Buritiense/ReproduçãoO acusado foi identificado como Lourival Batista; ele está foragido. Foto: Correio Buritiense/ReproduçãoSegurança na cidade foi reforçada após crime, em que foram usados facões, foices, machados e coquetéis molotov. Foto: Correio Buritiense/Reprodução

"O juiz evitou uma chacina"
O major da Polícia Militar do Maranhão Alexandre Magno acompanha as investigações e afirma que o magistrado se portou de forma corajosa ao longo de toda a ação. Segundo conta, Lourival derrubou a porta do gabinete de Salles Leite a machadadas e, ao entrar no recinto, ameaçou matar o magistrado. O que só não aconteceu pois o juiz lhe apontou sua arma e exigiu a saída do irmão e dos outros agressores do fórum.

"Ele conseguiu sacar a arma e verbalizar suficientemente bem para dissuadir os criminosos de prosseguirem com a ação. Com isso, o juiz evitou que acontecesse uma chacina lá dentro", afirma o militar. "Quando dez homens invadem o judiciário munidos de galões de gasolina, fósforos e armas brancas, capazes de esquartejar uma pessoa, tudo pode acontecer. Acreditamos que eles pretendiam fazer o juiz refém e levá-lo para o lado de fora do fórum, onde os outros agressores o linchariam."

Como o processo é da esfera eleitoral, a Polícia Federal assumirá a investigação. Não existem ocorrências semelhantes no Maranhão, um dos Estados mais violentos do Brasil, que ocupa a terceira colocação entre as unidades federativas com maior número de homicídios.

Leia também:
Corrupção na Petrobras pagou campanhas, diz governador eleito do Maranhão
Derrotado, clã Sarney busca receita para sobreviver no Maranhão
Cabe ao Maranhão resolver violência, diz ministra dos Direitos Humanos

"Como podem tacar fogo no fórum e ameaçar um ser humano? Se alguém não se satisfaz com a decisão de um juiz, que recorra ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral), que faça uma representação contra ele. Não tem nada que justifique esse vandalismo", lamenta Oriana Gomes, juíza corregedora do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA). "É muito triste tudo isso."

Apesar de bastante pobre e isolada do resto do Estado, a cidade de Buriti, de apenas 27,4 mil habitantes, não tem registros relevantes de violência. As ocorrências cotidianas se limitam a furtos e a raros assaltos.

De acordo com o Mapa da Violência mais recente, divulgado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais no ano passado, houve apenas um registro de homicídio na cidade em 2012, o que a deixa com uma taxa de 3,6 assassinatos a cada 100 mil habitantes. Um dos mais baixos índices do Brasil.

Leia tudo sobre: maranhãoburiticomarca de buritifraudeviolência

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas