Família do catarinense Ricardo dos Santos autorizou que as córneas do surfistas fossem encaminhadas para doação

O policial militar Luis Paulo Mota Brentano, suspeito de atirar três vezes contra o surfista Ricardo dos Santos, na praia de Guarda do Embaú, em Santa Catarina, na segunda-feira (19), está detido, permanecerá em custódia da Polícia Militar no 8º BPM de Joinville e será acusado por homicídio doloso, com intenção de matar.

Surfista Ricardo dos Santos passou por três cirurgias, mas não resistiu e faleceu nesta terça-feira (20)
Divulgação
Surfista Ricardo dos Santos passou por três cirurgias, mas não resistiu e faleceu nesta terça-feira (20)

O delegado da Polícia Civil de Palhoça, Marcelo Arruda Almeida, explica que foram abertos dois inquéritos: um civil e um militar disciplinar. “A polícia civil irá investigar por que existem versões conflitantes. E o óbito da vítima agrava muito mais a situação”.

Leia mais:  Baleado por policial, surfista Ricardo do Santos morre em Santa Catarina

A versão do policial é diferente da versão de testemunhas. O PM alega que agiu em legitima defesa: o carro do policial estava parado em frente a casa do surfista, o que teria causado um desentendimento. O surfista então, teria tentado atingir o PM, que estava de férias, e seu irmão, com uma faca. As testemunhas, no entanto, afirmam que Ricardo abordou o PM e o irmão ao ver que ambos usavam cocaína dentro do carro e o policial teria disparado sem ter sido ameaçado de forma nenhuma. 

O policial detido, que está na polícia desde 2008 e já havia participado de dois processos disciplinares, afirmou que teria ingerido álcool na noite anterior, mas nega o uso de drogas. Ele foi submetido ao exame toxicológico no momento da prisão, mas o resultado ainda não foi divulgado.

Segundo o Hospital Regional de São José, Ricardo dos Santos, sofreu um grave ferimento no abdome e foi submetido a tratamento cirúrgico de emergência e transferido para a UTI. O quadro de choque hemorrágico e falha múltipla de orgãos, se agravou, sendo necessário uma nova cirurgia, mas o paciente morreu às 13h10, desta terça-feira (20). 

A família, que iria cremar o corpo do atleta e jogar as cinzas no mar da Guarda do Embaú decidiu enterrar o corpo e aguarda liberação, pois deve passar por perícia. O velório será realizado na paróquia de Guarda do Embaú. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.