Alta temperatura no fim de semana faz nível do Cantareira cair

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Nesse domingo (18), a temperatura também foi alta, de 35,6°C, a segunda maior este ano

Agência Brasil

São Paulo registrou no fim de semana mais um recorde de alta temperatura. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), no sábado (17) a temperatura máxima chegou a 35,7 graus Celsius (°C), a quarta maior observada para o mês de janeiro, desde o início das medições em 1952. Ontem (18), a temperatura também foi alta, de 35,6°C, a segunda maior este ano.

Especialistas alertam: chuva será insuficiente para recuperar Cantareira

De acordo com Helena Balbino, meteorologista do Inmet, há possibilidade de que esses recordes sejam batidos ainda hoje (19), dependendo do horário que a chuva atingir a cidade. “Se a chuva chegar um pouquinho mais cedo, esfria a temperatura”, explica. A previsão para a semana é redução no calor. “A partir desta terça e quarta-feira, começa a chover e a temperatura diminui um pouco”, acrescenta.

A meteorologista disse ainda que a região do Sistema Cantareira deve receber hoje chuva de fraca intensidade. “Talvez na quarta e na quinta-feira já chova de uma forma mais constante. Agora tem chovido, mas tem evaporado muito por causa do calor, então a chuva não está fazendo efeito”.

Leia mais:
Agência constata captação irregular da segunda cota do volume morto pela Sabesp
Condomínios tentam parceria com Sabesp para criar poços artesianos em SP

O Sistema Cantareira recebeu ontem precipitação de apenas 0,8 milímetro. Com isso, o nível dos reservatórios registra nova queda, passando de 5,9% ontem para 5,8% hoje. O acumulado de chuvas deste mês é 60,9 milímetros, volume baixo se comparado à média histórica de 271,1 milímetros para o mês de janeiro.

Vaca caminha pela Represa Jacareí, no dia 29 de janeiro: normalmente ali teria água. Foto: Futura PressSituação calamitosa da Represa Jacareí, parte do Sistema Cantareira, no dia 29 de janeiro. Foto: Futura PressCarro no meio na Atibainha devido ao baixo nível da represa: cenário desolador. Foto: Futura PressPedalinhos inutilizados na Represa Atibainha, parte do Cantareira, em janeiro. Foto: Futura PressRepresa Atibainha, em janeiro de 2015. Foto: Futura PressLixo surge na Represa de Atibainha, em janeiro. Foto: Futura PressEm protesto contra a falta de água, governador Geraldo Alckmin é ironizado por manifestantes (26/01/2015). Foto: AP PhotoEm São Paulo, moradores organizaram uma passeata contra a falta de água. Foto: AP PhotoMoradores protestam contra a falta de água em São Paulo (26/01/2015). Foto: AP PhotoProtesto 'Banho Coletivo na casa do Alckmin', na manhã desta segunda-feira (23), em frente ao Palácio dos Bandeirantes. Foto: Futura PressFalta de água em São Paulo se agrava e motiva protestos . Foto: AP PhotoRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em setembro; veja mais imagens da situação dos reservatórios do Sistema Cantareira. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura PressSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis

No Sistema Alto Tietê também não choveu ontem, fazendo com que os reservatórios caíssem de 10,5% para 10,4% hoje. O acumulado de chuvas este mês é baixo, 32,5 milímetros, sendo que o esperado para janeiro chega a 251,5 milímetros.

A Represa Guarapiranga registrou queda, passando de 39,3% para 38,9%. A pluviometria registrada ontem foi zero. No acumulado do mês, o sistema recebeu 134 milímetros de chuva, sendo que a média histórica do mês é 229,3 milímetros.

Leia tudo sobre: sistema cantareiracalorcrise hídrica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas