Com 260 mil assinaturas, fiéis pedem a beatificação de Zilda Arns

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

A médica sanitarista e pediatra, reconhecida por ter fundado a Pastoral da Criança, morreu no terremoto de Porto Príncipe

Agência Brasil

Os sinais foram muitos para que Zilda Arns não viajasse para Porto Príncipe, no Haiti, em 2010.

Beatificação de Zilda Arns: mais de 260 mil assinaturas foram coletadas
Wilson Dias/Arquivo Agência Brasil
Beatificação de Zilda Arns: mais de 260 mil assinaturas foram coletadas

Tragédia: Zilda Arns morre em terremoto no Haiti

"Todos diziam não vá. Ela estava cansada. As coisas estavam dando errado, ela não tinha o visto ainda", relata o arcebipo da Paraíba e presidente do Conselho Diretor da Pastoral da Criança, Dom Aldo Pagotto.

Até o convite formal para a viagem, enviado pelo correio e por e-mail e que ela deveria confirmar, não chegou. "Mas, ela era muito teimosa e disse que onde houvesse missão, iria". No dia 12 de janeiro de 2010, Zilda Arns morreu enquanto discursava, vítima do terremoto que atingiu o país.

Não foi a primeira vez que a médica abriu mão dos próprios interesses para se colocar a disposição dos demais. Decorridos cinco anos de sua morte, prazo mínimo para que seja aberto processo de beatificação, milhares de fiéis pedem que o processo, que é um passo para que ela se torne santa, seja aberto. As moções de apoio somam 260 mil assinaturas.

Assista: Missa em SP homenageia Zilda Arns

A médica sanitarista e pediatra Zilda Arns Neumann é reconhecida nacional e internacionalmente por ter fundado a Pastoral da Criança e posteriormente a Pastoral da Pessoa Idosa.

Ela desenvolveu um trabalho de prevenção junto a famílias carentes e, ensinando as mães como preparar soro caseiro, por meio desta e outras ações, combateu a desnutrição no Brasil.

Para Dom Aldo, o objetivo não é apenas reconhecê-la como santa, "fazer uma estátua e colocar no altar. É pedir que se comece o reconhecimento das virtudes que tinha. Ela salvou milhares de vidas, não só combatendo a mortalidade infantil, mas trabalhando na prevenção de doenças que são curáveis, passando saberes a gestantes e mães muito pobres", diz.

2011: Câmara indica Zilda Arns para o Nobel da Paz

A entrega oficial da moção que solicita a abertura do processo de beatificação de Zilda ocorreu no dia 10 de janeiro durante celebração no Estádio Arena da Baixada Clube Atlético Paranaense, à Arquidiocese de Curitiba, que deverá conduzir o processo.

Uma equipe que contará com um postulador e um historiador, além de outros integrantes, deverá reunir fatos que comprovem as virtudes heróicas de Zilda. Posteriormente, o trabalho será remetido ao Vaticano que dará o veredito para a beatificação.

Para tornar-se beata é necessária a comprovação de um milagre por sua intercessão. Após a beatificação, segue o processo de canonização, que reconhece a pessoa como santa. Não há prazo para que isso ocorra. Canonizada, Zilda se juntará ao santo Antônio de Sant'Ana Galvão, o primeiro nascido no Brasil.

Cenário: Terremoto no Haiti mata ao menos 11 militares brasileiros

"Muitos que nos encontravam diziam que rezavam e pediam muito para ela. O mais curioso é que não pediam coisas para si. As pesssoas pediam pela comunidade, pelas crianças, pela vida dos vizinhos. Isso que mais me chamou atenção", disse o coordenador nacional adjunto da Pastoral da Criança, Nelson Arns Neumann, filho de Zilda, sobre os depoimentos colhidos na celebração do dia 10.

Médico, Neumann seguiu os passos da mãe. Sobre a profissão diz: "O comentário dela em família era de que a opção deveria ser pela que trouxesse satisfação pessoal e condições de sustentar a família. Mas que seria incompleta se não servisse a comunidade".

Uma lembrança que guarda de Zilda é dos atendimentos que ela fazia quando a família ia para a chácara no final de semana. "Muitas pessoas procuravam no sábado e domingo com os filhos doentes. Depois de atendidos perguntavam qual era o pagamento. Ela respondia que deveria, rezar três Ave Marias e um Pai Nosso".

Veja fotos do antes e depois após tragédia no Haiti

Rosena Dordor, 40, na frente de seu barraco nas colinas áridas ao norte da capital do Haiti (9/01). Foto: APCrianças jogam bola ao norte da capital do Haiti, Porto Príncipe (9/01). Foto: APHaitianos às portas de um ponto de distribuição de alimentos no bairro de Cité Soleil após terremoto de 2010 (arquivo) . Foto: APCrianças bombeiam água de poço em sua nova comunidade nas colinas áridas ao norte da capital do Haiti, Porto Príncipe (9/01). Foto: APCombinação de fotos mostra Marie La Jesula Joseph orando do lado de fora de Catedral após terremoto de 12 de janeiro de 2010 e como está o local em 2015, no Haiti (10/01). Foto: APMulheres caminha por rua devastada após terremoto de 7 graus de magnitude em 2010, na capital do Haiti (arquivo). Foto: APSobreviventes em acampamento improvisado após terremoto no Haiti (2010). Foto: AP

Pelo seu trabalho, Zilda Arns recebeu o título de Cidadã Honorária de 11 estados e 37 municípios brasileiros, 19 prêmios nacionais e internacionais e dezenas de homenagens de governos, empresas, universidades e outras instituições, pelo trabalho feito na Pastoral da Criança.

Hoje, a Pastoral está presente em todos os estados brasileiros e em outros 21 países da África, Ásia, América Latina e do Caribe. No Brasil, conta com quase 200 mil voluntários e atende a 45 mil comunidades.

Perguntada por que Zilda deve ser beatificada, a Irmã Rosangela Maria Altoé, da Congregação das Irmãs de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, que viajou com ela para o Haiti, disse: "Porque foi uma mulher que em sua ação não excluiu ninguém. A pastoral beneficia a todos, não importa religião, sexo, etnia, política.Todos estão incluídos".

Dentre as características da médica, Rosangela destaca a simplicidade, “sua capacidade de transformar o conhecimento científico de maneira simples para que fosse compreendida pelas pessoas que não tiveram oportunidade de estudar. Sua simplicidade ousada em um sorriso fácil, nas relações que estabelecia”.
 
Ela conta que Zilda não parou de trabalhar desde o momento em que chegaram ao Haiti, no dia 11 de janeiro de 2010. No mesmo dia ela começou a dialogar com os religiosos presentes que a conheciam. No dia seguinte, a primeira ação foi conhecer e conversar com gestantes e outras tantas mulheres haitianas que aguardavam por alimento para seus filhos.

“Sua morte se deu em pleno momento de uma missão que assumiu com entusiasmo, responsabilidade e ao mesmo tempo profissionalismo e que foi o motivo de grande entusiasmo e luta em favor da vida”, explicou.
 
Em seu último discurso, Zilda ressaltou que para que haja uma transformação social, é necessário um investimento máximo de esforços para o desenvolvimento integral das crianças, ação que deve começar ainda na gravidez.

“Não existe ser humano mais perfeito, mais justo e mais solidário e sem preconceitos que as crianças. Como os pássaros que cuidam dos seus filhos ao fazer um ninho no alto das arvores e nas montanhas longe dos predadores, ameaças e perigos, e mais perto de Deus, devemos cuidar de nossos filhos com um bem sagrado, promover o respeito a seus direitos e promovê-los”, disse a médica.

* Colaborou Aline Leal

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas