Crise hídrica deve ser pior neste ano do que em 2014, diz presidente da Sabesp

Por David Shalom - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

No cargo desde segunda-feira, Jerson Kelman admitiu que a redução da pressão na distribuição de água será intensificada

Medida praticada pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) desde 1997, a redução da pressão na distribuição de água na capital paulista deve ser intensificada em 2015. Foi o que afirmou o novo diretor-presidente da empresa, Jerson Kelman, em entrevista coletiva realizada na sede da companhia, no final da tarde desta quarta-feira (14), na zona sul da capital paulista.

O presidente da Sabesp, Jerson Kelman, durante sua primeira entrevista coletiva, nesta quarta
David Shalom/iG São Paulo
O presidente da Sabesp, Jerson Kelman, durante sua primeira entrevista coletiva, nesta quarta

Confira: Sabesp publica lista de bairros afetados pela falta de água

A interpretação do discurso é tão simples quanto aparenta. A redução da pressão, aplicada para diminuir perdas nos canos que levam a água a residências, indústrias e estabelecimentos comerciais, é aquela que tem feito bairros em regiões mais altas da cidade a ficarem sem o recurso com grande frequência nos últimos meses.

Na prática, aumentar o intervalo na redução da pressão, conforme anunciado pelo presidente da empresa, significa mais tempo sem água para uma quantidade ainda maior de pessoas vivendo sob esse regime – atualmente calculado em 800 mil pela Sabesp. 

"Ainda estamos no período de chuvas, então temos de torcer por mudanças. Mas o cenário é ruim e deve ficar ainda pior em 2015 do que em 2014 se permanecermos nesta situação", disse Kelman na coletiva que, ao menos inicialmente, mostrou um posicionamento mais transparente da nova gestão em relação à anterior, comandada por Dilma Penna e marcada por contradições. Kelman assumiu o cargo na segunda-feira (12).

Leia: Pela primeira vez, Alckmin admite racionamento de água em SP

"O objetivo da redução foi sempre o de diminuir os vazamentos. E, claro, neste cenário ruim, podemos aprofundar isso ainda mais."

Vaca caminha pela Represa Jacareí, no dia 29 de janeiro: normalmente ali teria água. Foto: Futura PressSituação calamitosa da Represa Jacareí, parte do Sistema Cantareira, no dia 29 de janeiro. Foto: Futura PressCarro no meio na Atibainha devido ao baixo nível da represa: cenário desolador. Foto: Futura PressPedalinhos inutilizados na Represa Atibainha, parte do Cantareira, em janeiro. Foto: Futura PressRepresa Atibainha, em janeiro de 2015. Foto: Futura PressLixo surge na Represa de Atibainha, em janeiro. Foto: Futura PressEm protesto contra a falta de água, governador Geraldo Alckmin é ironizado por manifestantes (26/01/2015). Foto: AP PhotoEm São Paulo, moradores organizaram uma passeata contra a falta de água. Foto: AP PhotoMoradores protestam contra a falta de água em São Paulo (26/01/2015). Foto: AP PhotoProtesto 'Banho Coletivo na casa do Alckmin', na manhã desta segunda-feira (23), em frente ao Palácio dos Bandeirantes. Foto: Futura PressFalta de água em São Paulo se agrava e motiva protestos . Foto: AP PhotoRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em setembro; veja mais imagens da situação dos reservatórios do Sistema Cantareira. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura PressSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis

A Sabesp calcula em 8 m³/s a economia de água com a redução de pressão – mais do que os 5 m³/s economizados com os planos de bônus, os descontos na conta para quem economiza o recurso. De acordo com a empresa, a zona norte é o bairro mais afetado pela crise, além de regiões altas, como a Vila Madalena e Pompeia.

"É complicado, porque São Paulo é um mar de morros. Temos de manter a água lá em cima, por exemplo, na Avenida Paulista, e em baixo, na Vila Mariana. Só essa é uma ladeira de 250 metros e às vezes a pressão baixa não dá conta", explicou o diretor metropolitano da empresa, Paulo Massato Yoshimoto. "Parafraseando Mike Tyson, de certa maneira essa situação atual é um murro na cara da Sabesp", completou Kelman.

Leia também:
Funcionários da Sabesp são ameaçados por moradores em bairros onde falta água
Ex-presidente da Sabesp releva dados e elogia gestão da crise: "Case de sucesso"
Sabesp ignorou crise e retirou mais água do que o determinado, afirmam MPs

Sobretaxa
Barrada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo na terça-feira (13), a sobretaxa para os "gastões" de água na capital paulista será aplicada de uma forma ou de outra, de acordo com Kelman. O governo do Estado já anunciou que entrará com recurso contra a decisão e admitiu, pela primeira vez durante a crise atual, existir racionamento na cidade.

"Quando a Agência Nacional de Águas (ANA) determina que tem de reduzir a vazão do Cantareira de 33 m3/s para 17 m3/s, é óbvio que já está existe a restrição", disse Geraldo Alckmin a jornalistas pela manhã.

Kelman, que enfatizou que a capital só estaria sob racionamento se toda a população estivesse sem água, fez coro ao discurso. "A suspensão da sobretaxa foi pelo fato de a magistrada ter entendido que deveria haver uma formalidade para admitir a escassez e se implementar a sobretaxa quando impôs a diminuição da vazão do Sistema Cantareira", ressaltou ele.

"Mas é estranho, porque o governo não enfrentou esse problema quando começou a aplicar os bônus para quem economizasse. A sobretaxa é um recurso urgente e essencial, até porque a água que está sendo desperdiçada atualmente poderia estar abastecendo 800 mil pessoas na capital."

Aliado à sobretaxa, a Sabesp também estuda uma aliança com a Secretaria de Segurança Pública (SSP) para investigar e punir pessoas que furtam água e alteram registros de entrada do recurso em bairros e residências. "Queremos e iremos reprimir a fundo as atividades ilegais. A água é da sociedade", concluiu Kelman.

Leia tudo sobre: crise hídricafalta de águasabespigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas