Vítimas de Roger Abdelmassih procuram por filhos que nem sabem se existem

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Em reportagem exibida pelo programa ‘Fantástico’, da Rede Globo, casais relatam o drama que vivem por terem embriões desaparecidos

Renato S. Cerqueira/Futura Press
Ex-médico Roger Abdelmassih, condenado a 278 anos de prisão

O "Fantástico" deste domingo (14) exibiu reportagem sobre o desaparecimento de embriões produzidos na clínica do ex-médico Roger Abdelmassih. Condenado pela Justiça a 278 anos de prisão por atacar sexualmente 52 mulheres, Abdelmassih é acusado pelas vítimas de ter implantado em outras mulheres ou descartado os embriões que não foram usados na fertilização.

Algumas das vítimas, como Vana Lopes, fizeram o tratamento de fertilização há mais de 20 anos. O tratamento consiste em extrair óvulos da mulher e fecundar com os espermatozoides, o que dá origem a embriões que são implantados no útero da mulher. Muitas vezes são produzidos mais embriões do que os necessários. Alguns são implantados, e outros são congelados, para serem usados em outras tentativas de fertilização.

A dúvida das vítimas de Abdelmassih é sobre o que foi feito dos embriões que não foram implantados. A clínica, fechada depois da condenação do ex-médico, hoje é um laboratório, e os novos donos afirmam terem recebido o imóvel vazio. A suspeita de alguns casais é que os embriões tenham sido implantados em outras mulheres.

Vítimas de Roger Abdelmassih fazem abaixo-assinado para impedir liberdade do ex-médico; veja quem são elas. Foto: Pedro Prata/DivulgaçãoIvany Serebrenic, primeira vítima a denunciar Roger Abdelmassih: acordei com ele em cima de mim. Foto: TV iGAos 54 anos, Vana Lopes pôde abrir sua Champagne para comemorar a prisão de Roger Abdelmassih: . Foto: Reprodução/FacebookEm sua página no Facebook, Vana agradeceu a equipe envolvida na prisão do ex-médico: "Vamos ao aeroporto buscar este estuprador e dar boas vindas para o inferno." (20.08). Foto: Reprodução/FacebookTeresa Cordioli, de 63 anos, passou a noite em claro após a prisão de Abdelmassih: "Não consigo dormir, só penso que conseguimos" (20.08). Foto: Reprodução/FacebookNelma Luz, de 50 anos, administra o perfil 'Vítimas de Roger Abdelmassih e Clínica" no Facebook: "O marginal do Roger Abdelmassih foi preso!!!" (20.08). Foto: Reprodução/FacebookA fotógrafa Monika Bartkevitch, de 47 anos, comemorou em seu Facebook: "Este monstro horroroso devastou tantos sonhos e desestruturou tantas vidas" (20.08). Foto: Reprodução/FacebookIvany Serebrenic, de 47 anos, precisou ser medicada após a notícia de que Abdelmassih havia sido preso: "parece que a tensão de todo este tempo me fez desabar" (20.08). Foto: Reprodução/FacebookHelena Leardini, de 45 anos, lembra os ataques sob sedação: "Ele me pegou a força e beijou na boca. Estou orgulhosa de ter ajudado a prendê-lo!" (20.08). Foto: Reprodução/FacebookSilvia Franco, de 43 anos, fazia das redes sociais uma plataforma pela prisão de Abdelmassih: ela compartilhava matérias e pedia informações de seu paradeiro (20.08). Foto: Reprodução/FacebookNa página 'Vítimas de Roger Abdelmassih e Clínica', mulheres compartilham com alegria a prisão do ex-médico (20.08). Foto: Reprodução/FacebookVítimas comentam prisão do médico Roger Abdelmassih. Foto: Reprodução/FacebookRoger Abdelmassih foi preso no Paraguai na última terça (19.08): ex-médico era um dos mais procurados do Brasil. Foto: Fotos PúblicasApós a prisão de Roger Abdelmassih por operação das polícias Civil e Federal, o perfil do foragido foi atualizado com o carimbo de "Capturado" (20.08). Foto: ReproduçãoRoger Abdelmassih era um dos 160 brasileiros a constar na lista dos procurados da Interpol (20.08). Foto: Reprodução


Os órgãos de vigilância sanitária, que seriam responsáveis pela fiscalização das clínicas de fertilização, tampouco sabem do destino dos embriões. A Anvisa passou a fiscalizar os relatórios das clínicas somente após o fechamento do estabelecimento de Abdelmassih. A vigilância sanitária estadual se eximiu do problema, afirmando que não se trata de uma questão sanitária.

As vítimas de Abdelmassih pretendem entrar na justiça para descobrir o paradeiro de seus embriões. Mas um problema que vão enfrentar é a falta de legislação para casos como esse. A regulamentação da fertilização in vitro no Brasil é feita pelo Conselho Federal de Medicina, e não tem força de lei. Por isso, se Abdelmassih descartou os embriões ou os implantou em outras mulheres, ele não cometeu um crime.

Procurada pelo Fantástico, a clínica de fertilização em que hoje trabalha Vicente Abdelmassih, filho de Roger, afirma por meio da assessoria de imprensa que tem em seu poder alguns embriões congelados que eram da clínica de Roger, mas não todos. Os embriões que estão na clínica em que trabalha Vicente foram resgatados por funcionários da antiga clínica de Roger.

Assista à entrevista com Ivany Serebrenic, primeira vítima a denunciar Roger Abdelmassih

 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas