Sabesp registra nova baixa no volume de água do Sistema Cantareira

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Além do Sistema Cantareira, outros cinco reservatórios que abastecem o Estado apresentaram queda no volume de água

Agência Brasil

O nível do Sistema Cantareira, principal manancial de abastecimento da região metropolitana de São Paulo (incluindo parte da capital paulista), voltou a cair, atingindo nesta quarta-feira (3) 8,4% de sua capacidade de armazenagem, segundo a medição diária feita pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Ontem (2), o volume estava em 8,5%.

Leia também: Falta d'água ameaçou Campinas 77 vezes

Presidente da Sabesp prepara saída depois de blindar Alckmin nas eleições

Hospitais de SP encontram alternativas para economizar água em tempo de seca

Represa do Jaguari, na cidade de Vargem, em setembro; veja mais imagens da situação dos reservatórios do Sistema Cantareira. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura PressSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis

Em mais cinco mananciais também foram registradas novas baixas: no Sistema Alto Tietê havia ontem 5,5% de água em relação ao total que é possível reservar e, hoje (3), o percentual passou para 5,4%; no sistema Guarapiranga, o nível atingiu 32,7%, ante 33,1%; no Sistema Alto Cotia, a taxa passou de 29,6% para 29,4%; no Sistema Rio Grande, de 63,2% para 63% e no Sistema Rio Claro, de 31,1% para 30,4%.

De acordo com o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec), estão previstas pancadas de chuva hoje em São Paulo. Elas, porém, devem ocorrer de forma mais fraca no lado norte do estado, onde localiza-se a maior parte dos reservatórios alimentados por nascentes situadas entre o sul de Minas Gerais e o norte do estado.

Entre dezembro deste ano e fevereiro de 2015, parte do país, incluindo a Região Sudeste, deverá ainda estar sujeita às variações climáticas influenciadas pelo fenômeno El Niño, de acordo com as previsões do Cptec. As temperaturas podem variar na maior parte do Brasil.

Leia tudo sobre: águacrise hidricaIGSPsecacantareira

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas