SP aguarda reunião com RJ para garantir cinco m³/s de água do Rio Paraíba do Sul

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Reuniões técnicas foram feitas; Rio ficaria com o restante dos 180 m/s, afirmou o secretario de Recursos Hídricos

Está quase tudo pronto para que São Paulo desvie cinco metros cúbicos por segundo (m³/s) do Rio Paraíba do Sul – que serve o Rio de Janeiro – para ajudar no abastecimento de água da capital paulista e Região Metropolitana.

Essa é previsão feita pelo secretario de Recursos Hídricos do Estado, Mauro Arce, sabatinado nesta quarta-feira (12) pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Sabesp na Câmara Municipal de São Paulo.

Leia mais:

São Paulo começa a usar segundo volume morto da Cantareira na semana que vem

ONG prevê plantio de 1 milhão de mudas para recuperar Cantareira

De acordo com o secretario, no cargo desde abril, reuniões técnicas com simulações já foram realizadas e uma proposta foi feita ao Rio de Janeiro: São Paulo ficaria com cinco m/s da vazão de 180 m³/s que o Rio Paraíba do Sul leva ao Rio. “Esse assunto está caminhando bem. Existe uma posição. Já fizemos reuniões técnicas, simulações. Precisa agora de uma reunião para fechar [o acordo]”, afirmou Arce, ao lembrar que dois reservatórios ficam em São Paulo.

Veja fotos do cenário desolador das reservas de água em São Paulo:

Represa do Jaguari, na cidade de Vargem, em setembro; veja mais imagens da situação dos reservatórios do Sistema Cantareira. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura PressSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis

O secretário lembrou que esse projeto foi apresentado na segunda-feira (10) pelo governador Geraldo Alckmin à presidente Dilma Rousseff, que receberá os detalhes dos oito projetos propostos na próxima segunda em reunião com os ministérios do Planejamento e do Meio Ambiente. “São 180 metros cubicos por segundo. Só queremos cinco metros. Esse assunto foi levado ao STF [Supremo Tribunal Federal]. O pessoal do Rio achava que tirar cinco metros do Paraíba iria prejudicar toda a população do Rio de Janeiro.”

Até que as grandes obras saiam do papel, o secretário mencionou pequenas intervenções que devem aumentar aos poucos a oferta de água aos paulistas. Segundo Arce, bastará que o volume de chuvas seja igual à media histórica para que os reservatórios fiquem cheios até abril do ano que vem. “Não só encheríamos as duas reservas técnicas como teríamos um volume útil maior do que em 2014”, completou.

Mais sobre a crise da água em SP: 

Seca do Cantareira pode levar SP a depender de caminhões-pipa e água engarrafada
Funcionários da Sabesp são ameaçados por moradores em bairros onde falta água
Ex-presidente da Sabesp releva dados e elogia gestão da crise: "Case de sucesso"

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas