Diretor da ANA acusa secretário de Alckmin de descumprir acordo sobre Cantareira

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Mauro Arce teria se comprometido em reduzir a vazão em 2,6 metros cúbicos de água, mas desmentiu acordo

O diretor-presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu Guillo, acusou na manhã desta quarta-feira (5) o secretário estadual de Recursos Hídricos, Mauro Arce, de não cumprir um acordo que previa a redução da captação de água do Sistema Cantareira a partir de outubro.

Com chuva, Cantareira mantém nível dos reservatórios em 11,9%

Mesmo com chuva, captação de água no Cantareira ainda está abaixo do consumo

A declaração de Andreu ocorreu na Câmara Municipal de São Paulo durante audiência pública da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investiga a responsabilidade da Sabesp na escassez hídrica na capital e Região Metropolitana.

De acordo com o diretor-presidente da ANA, uma reunião “em meados de agosto” organizada pelo GTAG, grupo de assessoramento e gestão do Sistema Cantareira, sugeriu a redução de 0,8 metro de água por segundo (m/s) do Cantareira a partir daquele mês.

A proposta não foi aceita por Arce, que no lugar teria sugerido reduzir a vazão em 1,6 m/s a partir do dia primeiro de outubro e mais 0,8 m/s a partir de primeiro de novembro, totalizando 2,6 metros por segundo. O acordo, no entanto, não saiu da promessa.

Represa do Jaguari, na cidade de Vargem, em setembro; veja mais imagens da situação dos reservatórios do Sistema Cantareira. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura PressSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis

Questionado a esse respeito pelos vereadores Mario Covas Neto (PSDB) e Nabil Bonduki (PT), Andreu afirmou que o compromisso foi verbal e também por e-mail. “Ele me encaminhou um e-mail prometendo a redução, mas depois disse que foi só um comentário”, afirmou o presidente da ANA, visivelmente irritado.

Teria sido essa desavença com Arce que motivou a ANA a deixar o grupo de gestão do Cantareira. Questionado pela reportagem, o secretario não respondeu até o fechamento da matéria.

Ex-presidente da Sabesp

Também foi sabatinado o ex-presidente da Sabesp Gesner Oliveira (2007-2010), que defendeu a empresa, que teria sido responsável pelos maiores investimentos do Brasil em fornecimento de água.

Ele responsabilizou a seca. “Não há falha pontual. O que houve é que a severidade da seca é sem precedentes.”

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas