Brasil piora no ranking mundial de desigualdade de gênero

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Levantamento leva em conta saúde, educação, economia e participação política; País caiu da 62ª para a 71ª posição

Agência Brasil

O Brasil passou a ocupar o 71º lugar no ranking elaborado pelo Fórum Econômico Mundial que analisa a desigualdade de gênero em 142 países. Houve piora em relação à pesquisa anterior, divulgada no ano passado, na qual o País ocupava a 62ª posição na lista.

Ichiro Guerra/ Dilma 13
Mesmo tendo uma presidente do sexo feminino reeleita, País caiu posições no levantamento

Denominado Global Gender Report 2014, o estudo avalia as diferenças entre homens e mulheres em aspectos como saúde, educação, economia e participação política. A Islândia ocupa o primeiro lugar na lista, ou seja lá, as desigualdades entre homens e mulheres são as menores. Em seguida aparecem países como Finlândia, Noruega e Suécia. Nos últimos lugares estão Paquistão, Chade e Iêmen.

Segundo o relatório, o Brasil fechou menos de 70% da lacuna entre gêneros, ficando em situação similar à do ano passado. O documento cita o fato de o país ter uma presidente mulher, mas destaca que ainda há ligeira desigualdade salarial para trabalhos similares e estimativa de renda.

Leia também:
Falta de mulheres na política agrava desigualdade de gênero no Brasil, diz Pnud

Em 2006, quando o levantamento começou, o Brasil era o 67º entre 115 países. Nos anos seguintes, o número de países pesquisados aumentou para 142 e o País caiu no ranking, até chegar à 85ª posição, em 2010. A partir de então, o foram três anos consecutivos de significativas melhoras na redução das desigualdades de gênero, mas o ritmo não se sustentou na comparação com os dois últimos anos.

A entidade inclui o Brasil em uma lista de oito países (ao lado de Bahamas, Belize, França, Guiana, Letônia, Namíbia e Filipinas) que encerraram a diferença entre gêneros nos quesitos educação e saúde, mas não diminuíram as desigualdades relativas à participação econômica nem à capacitação política.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas