Arquiteta de São Paulo conseguiu reduzir 15% do consumo de sua casa só com o reaproveitamento de água

Apesar de o anúncio oficial ainda não ter sido feito, ninguém nega que vai ser muito difícil que as torneiras não sequem nos próximos meses. Numa estimativa dura, pode ser que o rodízio faça com que o paulistano tenha dois dias com água e cinco sem qualquer vestígio dela. 

Um cenário que assusta, mesmo porque estamos acostumados com muita água. Segundo a a Sabesp, o consumo de água do Brasil está acima da média recomendada pela Organização Mundial de Saúde: enquanto o indicado é que cada pessoa use 110 litros de água por dia para atender as necessidades de consumo e higiene, o brasileiro chega a gastar 200 litros por dia.

Veja:  Você sabia que água potável também apodrece?

“Numa residência, o reaproveitamento de águas reduz muito a necessidade de uso de água potável em aplicações não potáveis, como vasos sanitários, irrigação de jardins, lavagem de pisos”, afirma a arquiteta especializada em construções sustentáveis Luciana Murakami. “A reutilização de água economiza água potável, assim como o sistema de esgoto, uma vez que essa água será usada no mínimo mais uma vez antes de ir para a rede de esgoto”, afirma.

Existem várias soluções tecnológicas (e simples) para a reutilização da água que podem ser construídas nas residências – como, por exemplo um sistema que capta água da chuva do telhado ou outro que direciona a água que sai do ralo do chuveiro para um reservatório que alimentará a descarga. Mas, como o tempo (e a água) é pouco, Luciana ensina medidas imediatas que exigem apenas mudanças de hábito.

Com base no que aconteceu na própria casa, ela calcula que é possível reduzir em 15% o consumo de água. Veja como reaproveitar a água.

Balde no banheiro

Uma descarga consome em média seis litros de água. Alguns modelos mais antigos chegam a consumir de 10 a 14 litros. Para economizar, o ideal é deixar um balde no banheiro com as sobras da máquina de lavar.

Máquina de lavar como fonte de água
“A água da máquina de lavar dura no máximo dois dias. Como tem sabão, amaciante além de sujeira, cabelo e pele, ela gera mais bactéria que a água da chuva e se decompõe rapidamente”, explica a arquiteta. Por isso, a água dos primeiros ciclos de lavagem só serve para descarga e deve ser usada em menos de dois dias.

Já a água do ciclo final – aquela da centrifugação, que não contém sabão nem sujeira – pode ser usada para a próxima lavagem da própria máquina. "Dependendo do modelo da máquina dá para despejar novamente a água que estava na bombona na máquina e iniciar a lavagem de outras roupas”, disse.

Água da chuva
Vale lembrar que a água da chuva não é potável e nem dá para tomar banho, mas é indicada para regar plantas, limpar calçadas e usar na descarga. “Existe um sistema para isso, mas dá para usar uma balde grande e que tem uma torneira”, disse. Em casa, é possível armazenar a água que cai pela calha do telhado.

Água da pia da cozinha

A água da louça engordura, tem de ir para o ralo de vez. Não tem outro jeito. Mas, aquela que sobra da lavagem de frutas e louças não gordurosas deve ter outro destino: use para regar plantas ou fazer a limpeza da casa e do quintal. 

A arquiteta reconhece que a economia e reaproveitamento de água é apenas uma parte da solução, mas não custa fazer um pouco para ajudar. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.