Condenação de 278 anos de cadeia foi diminuída para 181 anos devido à prescrição de alguns crimes; na prática, pena se torna perpétua, já que ex-médico só poderá ser solto daqui a 70 anos

A tentativa da defesa de Roger Abdelmassih de suspender o julgamento que condenou o ex-médico a 278 anos de prisão em 2010 não surtiu efeito. Nesta quinta-feira (16), a 6ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu que irá mantê-lo na cadeia, além de ter acatado pedido do Ministério Público Estadual para retirar artigo da primeira condenação que permitiria a ele ficar no máximo 30 anos preso.

Veja fotos do momento da prisão de Roger Abdelmassih:

Devido à prescrição de alguns crimes, no entanto, a pena de quase 300 anos foi alterada para 181 anos, 11 meses e 12 dias de reclusão, voto do relator do caso, o desembargador José Raul Gavião de Almeida.

Leia mais:
Roger Abdelmassih é preso no Paraguai
Em áudio, Abdelmassih confessa ter feito sexo com pacientes, mas nega estupros
Vítimas de Abdelmassih fazem abaixo-assinado para ex-médico continuar preso

Como os crimes pelos quais foi condenado impedem a concessão de benefícios ao longo do cumprimento da pena, Abdelmassih, 71 anos, só terá direito à liberdade condicional após ter cumprido 2/5 da pena. Na prática, a prisão se torna praticamente perpétua, uma vez que supera os 70 anos.

Assista ao emocionado depoimento de uma das vítimas do ex-médico:

Até a proliferação das denúncias de abusos sexuais de ex-pacientes, Abdelmassih era considerado um dos mais renomados médicos especialistas em fertilização in vitro do País. Ele foi condenado pelo estupro de 52 pacientes em 2010, mas fugiu do País após o Superior Tribunal Federal (STF) ter lhe concedido um habeas corpus. Só foi preso no dia 19 de agosto, no Paraguai, após quase quatro anos foragido.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.