Ex-médico foi condenado em 2010 a 278 anos de prisão por 52 estupros e atentados violentos ao pudor contra suas pacientes

Larissa Sacco largou tudo para fugir com o ex-médico Roger Abdelmassih, preso no Paraguai
Reprodução/Internet
Larissa Sacco largou tudo para fugir com o ex-médico Roger Abdelmassih, preso no Paraguai

A mulher do ex-médico Roger Abdelmassih, Larissa Sacco, 36 anos, disse em um artigo publicado no jornal "Folha de S. Paulo " nesta quinta-feira (2) que tem certeza da inocência do marido e ressaltou o quanto o ex-médico é amoroso.

"Como mulher dele, posso asseverar que não há pessoa mais amorosa e voltada a seu cônjuge. A preocupação desse homem com o futuro de sua família é incomensurável", afirmou no artigo.

Leia também:
"Acordei com ele em cima de mim", relata vítima de Roger Abdelmassih
"Pulei de alegria quando soube da prisão", diz vítima de Abdelmassih
Quem é Larissa Sacco, a mulher que ajudou na fuga de Abdelmassih

Larissa é ex-procuradora da República e possui dois filhos com Abdelmassih. Ela morava com o ex-médico em Assunção, no Paraguai. No artigo, ela conta que resolveu fugir com o ex-médico por amor e por confiar no caráter dele.

Mais:
Vítimas de Abdelmassih fazem abaixo-assinado para ex-médico continuar preso
Caso Abdelmassih: "Nunca vimos no País um caso como este, com tantas vítimas"

"Não existe uma dúvida sequer em minha mente acerca da inocência do Roger, meu marido, pois, se tivesse uma só, não teria permanecido ao lado dele por todo esse tempo", disse.

Ela ainda disse que Roger Abdelmassih sentia uma "dor dilacerante" sempre que via uma reportagem que em era chamado de estuprador.

O Tribunal da Justiça de São Paulo deve analisar ainda hoje um pedido de anulação do julgamento de 2010 em que o ex-médico foi condenado a 278 anos de prisão por 48 ataques sexuais a 37 mulheres.

Prisão

Abdelmassih foi preso em Assunção, no Paraguai, no dia 19 de agosto. Ele estava foragido desde 2010 quando foi condenado pela Justiça a 278 anos de prisão e teve o registro cassado pelo Conselho Regional de Medicina (CRM) de São Paulo por 52 estupros e atentados violentos ao pudor contra suas pacientes.

O ex-médico chegou a ser preso em 2009, mas foi liberado às vésperas do natal, por conta de um habeas corpus concedido pelo então presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes.

Dois anos depois, em 2011, quando Abdelmassih tentou renovar o passaporte, um novo pedido de prisão foi decretado. Mas o ex-médico nunca mais foi achado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.