Ex-médico foi preso em Assunção, no Paraguai, no último dia 19 de agosto; ele foi condenado por cometer 56 estupros

Agência Brasil

Um grupo de vítimas do ex-médico Roger Abdelmassih entregou, nesta quarta-feira (1º), ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), um abaixo-assinado pedindo a manutenção da condenação do ex-médico, que tenta ser revertida por seu advogado. Ao todo, já foram conquistadas mais de 60 mil assinaturas. 

Veja fotos da prisão de Roger Abdelmassih:

Conhecido como "médico das estrelas" até o início da divulgação dos casos e a cassação de seu diploma profissional, em 2009, Abdelmassih foi condenado em 2010 a cumprir 278 anos de prisão por 56 estupros cometidos entre 1995 e 2008 contra pacientes. No entanto, um habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2010 e só anulado no ano seguinte o manteve em liberdade e Abdelmassih fugiu do País. Ele só foi preso no último dia 19 de agosto, em Assunção, no Paraguai.

Vítimas do ex-médico já conseguiram mais de 60 mil assinaturas exigindo manutenção de prisão
Pedro Prata/Divulgação
Vítimas do ex-médico já conseguiram mais de 60 mil assinaturas exigindo manutenção de prisão

Com as 62 mil assinaturas, as vítimas esperam que o tribunal se sensibilize contra o pedido de anulação da condenação feito pela defesa do ex-médico. “Tenho certeza de que, apesar da influência dos advogados, o juiz julgará observando todo o processo”, disse Vana Lopes, uma das participantes do protesto.

Veja depoimento emocionado de uma das vítimas de Abdelmassih:

Leia mais:

Roger Abdelmassih é preso no Paraguai
Depois de passar mal, Abdelmassih chega à prisão onde ficará isolado por 10 dias
"Pulei de alegria quando soube da prisão", diz vítima de Abdelmassih
Presídio para onde vai Roger Abdelmassih é conhecido por ter "presos estrelas"

Em 1993, ela denunciou Abdelmassih por estupro, manipulação genética e erro médico. “Ele me contaminou com uma bactéria e, por causa disso, fiquei internada 40 dias. Peguei hepatite C e quase morri”, lamentou. “Nossa ideia é apoiar a Justiça."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.