Implantado no governo do tucano Fernando Henrque Cardosos, fator teve como objetivo evitar aposentadorias precoces e desafogar as contas da Previdência Social

Reuters

O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, afirmou nesta sexta-feira (19) que, se for eleito, encontrará um caminho para a substituição do fator previdenciário

"Vamos encontrar um caminho que permita a superação, a substituição do fator previdenciário, mesmo que seja ao longo dos próximos anos, para uma forma que não penalize de forma tão grave como vem penalizando hoje os aposentados brasileiros", disse o tucano, em discurso a mulheres sindicalistas, em São Paulo.

A extinção do fator previdenciário, implantado durante o segundo governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) para evitar aposentadorias precoces e desafogar as contas da Previdência Social, é uma antiga reivindicação dos movimentos sindicais.

Aécio Neves (PSDB) participa do VI Coletivo da Mulher Metalúrgica, em São Paulo (19/09)
Divulgação/PSDB
Aécio Neves (PSDB) participa do VI Coletivo da Mulher Metalúrgica, em São Paulo (19/09)


Aécio também disse que, na reunião, reiterou o compromisso de reajustar a tabela do Imposto de Renda com base na inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e prometeu "recuperar a defasagem" da tabela nos próximos anos.

Ele também voltou a assegurar que, se eleito, manterá a política atual de valorização no salário mínimo, calculada com base na inflação e no crescimento da economia.

"Só que como no nosso governo o País vai voltar a crescer, o reajuste vai ser muito maior", disse o tucano, aproveitando para alfinetar a presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, pelo baixo crescimento da economia.

Outros candidatos:
Dilma afirma que vai manter fator previdenciário se for reeleita
Vice de Marina defende o fim do fator previdenciário 

Sobre a busca do fim do fator previdenciário, Aécio disse a jornalistas após seu discurso que se trata de um "compromisso pessoal" assumido por ele.

"Minha equipe econômica vai estar mergulhada nisso", assegurou o tucano, afirmando que encontrará uma "alternativa responsável" para o fim do mecanismo sem dar detalhes.

O tucano prometeu manter um "diálogo permanente" com o movimento sindical e, ao falar para as mulheres, disse que vai cumprir a promessa feita e não concretizada por Dilma na eleição de 2010 de construir 6 mil creches.

Aécio voltou a dizer que é a melhor alternativa de mudança, numa referência à candidata do PSB, Marina Silva, e comemorou o resultado da pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta e que sinalizou crescimento de suas intenções de voto.

"A pesquisa, na verdade, aponta na direção daquilo que já estamos percebendo em todo o Brasil. A nossa candidatura cresce em praticamente todas as regiões e nós já temos a partir de avaliações internas que fazemos sinais maiores do que o que as pesquisas demonstram", disse.

Pesquisa Datafolha divulgada nesta madrugada mostrou Dilma passando de 36% a 37% das intenções de voto para o primeiro turno, Marina recuando de 33% a 30% por cento e Aécio indo de 15% para 17%. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais.

Nas simulações de segundo turno, Marina e Dilma estão em empate técnico, com vantagem numérica para a candidata do PSB: 46% a 44%. Já no confronto entre a presidente e o tucano, a petista vence por 49% a 39%.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.