Viúva de Campos não demonstrou interesse em vaga de vice, diz presidente do PSB

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo Roberto Amaral, candidatura nunca foi pretendida por Renata Campos e é pura especulação

Reuters

Fernando Frazão/ Agência Brasil
Renata Campos, viúva do presidenciável Eduardo Campos, participa de evento do PSB em Recife (18/08)

O presidente do PSB, Roberto Amaral, disse nesta segunda-feira (18) que a mulher de Eduardo Campos, Renata, não demonstrou interesse em ser candidata à vice-presidência ao lado de Marina Silva, depois que seu marido morreu em um trágico acidente aéreo na quarta-feira (13).

"Ela jamais me disse dessa intenção (de concorrer como vice na chapa com Marina)", afirmou Amaral à Reuters nesta segunda, um dia após o funeral de Campos.

Amaral disse que encara essa possibilidade como "especulação" e que esse tema só será definido depois que Marina Silva for confirmada como nova candidata à Presidência pelo PSB.

Leia mais: Renata Campos agradece carinho e diz que fará campanha por dois

Segundo ele, até quarta-feira (27) o partido já terá tomado essa decisão e nesse momento está havendo um processo de consulta aos governadores do PSB, candidatos a governos estaduais da legenda e a partidos aliados para chegar à reunião da comissão executiva do partido sem divergências.  "Essa decisão não passa de quarta", disse.

Campos, 49 anos, morreu quando o avião que voava caiu em Santos (SP) na manhã de quarta-feira.  Apesar dos cuidados de Amaral para não formalizar a decisão antes da reunião da comissão executiva do partido, não há mais dúvidas no partido de que Marina será a candidata.

Fernando Frazão/ Agência Brasil
Ao lado de partidários do PSB e dos filhos, Renata grita palavras de ordem depois ouvir discurso do presidente do partido, Roberto Amaral


No sábado (16), o líder do PSB na Câmara, Beto Albuquerque (RS), disse à Reuters que Marina já havia sinalizado que assumiria a cabeça de chapa. 

Albuquerque, aliás, é o nome mais cotado para formar a dobradinha com Marina, já que o partido quer um nome que tenha ligação orgânica com a legenda, que defenda o legado de Campos e tenha proximidade com Marina --que entrou no PSB porque não conseguiu registrar seu partido, Rede Sustentabilidade a tempo de disputar as eleições neste ano.

Datafolha: Marina empata com Aécio no 1º e com Dilma no 2º turno

Mesmo antes de ser oficializada como candidata, Marina foi incluída numa pesquisa do Datafolha e apareceu em segundo lugar, em empate técnico com o candidato do PSDB, Aécio Neves, ela com 21% das intenções de voto e ele com 20%, diferença dentro da margem de erro da sondagem, de dois pontos percentuais. Dilma segue na liderança com 36%.

Na pesquisa anterior do Datafolha, Campos, então cabeça de chapa do PSB, tinha apenas 8% das intenções de voto.


Leia tudo sobre: BRAZILPOLITICAAMARALALIADOS

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas