Promotor tenta impedir que assassina ganhe direito de trabalhar fora da cadeia; juíza anunciou decisão na segunda

Conforme dito ao iG na semana passada, o Ministério Público de São Paulo entrou com ação de recurso contra a decisão da Vara Criminal de Taubaté de conceder regime semiaberto a Suzane Von Richthofen, 31 anos. A ação foi protocolada pelo promotor Luiz Marcelo Negrini Mattos, nesta segunda-feira (18).

Os irmãos Cravinhos ao lado de Suzane no momento da prisão por duplo homicídio, em 2002
Mario Angelo/Futura Press
Os irmãos Cravinhos ao lado de Suzane no momento da prisão por duplo homicídio, em 2002

Segundo o promotor, o motivo para o recurso é que o exame criminológico realizado em Suzane demonstra que ela "não reúne condições subjetivas para cumprir o restante da pena no semiaberto". Denivaldo Barni, advogado da assassina confessa dos pais, no entanto, discorda, afirmando que ela "tem pareceres favoráveis à progressão e a decisão da juíza foi muito minuciosa a esse respeito".

Leia mais:
Advogado de Suzane Von Richthofen critica MP e diz que "crime é passado"

O semiaberto foi concedido há exatamente uma semana a assassina confessa dos pais, a juíza Sueli Zeraik de Oliveira Armani, que ressaltou que a Lei de Execução Penal exige a progressão da pena baseada no comportamento carcerário e no período cumprido. A magistrada destacou na ocasião que, presa há praticamente 12 anos, não haveria evidências da possibilidade de reincidência por parte da jovem, tampouco de periculosidade ou qualquer outro fator que a leve a impor risco à sociedade à medida em que sua pena vai chegando ao fim.

Relembre o crime que chocou o Brasil em 2002:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.