Secretaria de SP diz que retenção em usina não compromete abastecimento de água

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Agência de Águas está organizando uma reunião com representantes de SP e RJ para falar sobre hidrelétrica Jaguari

Reuters

A retenção maior de água na hidrelétrica Jaguari, da Cesp, em São Paulo, não compromete o abastecimento para uso humano no Rio de Janeiro, disse à Reuters, nesta quarta-feira (13), o secretário de Saneamento e Recursos Hídricos de São Paulo, Mauro Arce.

Leia também: ONS diz que medida da Cesp é preocupante por comprometer abastecimento de água

Segundo o secretário, mesmo com a decisão - não autorizada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS)- de reduzir de 30 para 10 metros cúbicos por segundo a vazão da usina, o volume de água do rio Paraíba do Sul que chega ao Rio de Janeiro é de cerca de 164 m3/s, sendo que o uso pra consumo humano no Estado é de cerca de 55 m3/s.

São Paulo e Minas Gerais usam, cada um, cerca de 5 metros cúbicos por segundo do rio Paraíba do Sul para uso humano.

Mais: ONS critica Cesp e alerta para risco de "colapso" no abastecimento de água

Arce justifica a decisão de barrar mais água em Jaguari para garantir o consumo humano, que tem precedência legal sobre outras utilizações. "Os reservatórios do Paraíba estão caindo de tal forma que, se continuar assim, pode haver um colapso no abastecimento de água", disse.

Segundo o secretário, a Agência Nacional de Águas (ANA) está organizando, ainda para esta semana, uma reunião com representantes dos governo de São Paulo, Rio e Minas para tratar do assunto.

"Estamos dispostos a conversar", disse o secretário, afirmando que a Cesp ainda não foi notificada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para atender a determinação do ONS de gerar mais energia e aumentar a vazão da usina.

Segundo Arce, mesmo com a vazão menor, ontem o reservatório de Jaguari perdeu 0,05 por cento de sua capacidade de armazenamento e está hoje com cerca de 37 por cento. Outro reservatório da região, o de Paraibuna, que é maior do que o de Jaguari, está com 13 por cento de armazenagem, segundo Arce.

Em nota, a ANA informou que deu à Cesp prazo de cinco dias úteis para apresentar os estudos técnicos e jurídicos que justificaram a decisão.

Leia tudo sobre: brasiláguacespenergia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas