Secretaria irá oferecer atendimento psicológico e jurídico aos familiares. Reunião acontece às 14h desta terça-feira (12)

O governador do Estado de Goiás, Marconi Perillo, realizará nesta terça-feira (12) uma reunião com as famílias das 15 jovens mortas por motociclistas em Goiânia desde o começo de janeiro deste ano. Segundo o governo, o Secretário de Segurança Pública de Goiás, Joaquim Mesquita, também participará da reunião que acontecerá no Palácio Pedro Ludovico Teixeira às 14h.

De acordo com informações da assessoria de imprensa, a Secretaria de Estado de Políticas para Mulheres e Promoção da Igualdade Racial (Semira) irá oferecer atendimento psicológio e jurídico. Esse atendimento já vem sendo realizado com uma das famílias que procurou a secretaria para cuidar da guarda do filho da jovem assassinada.

Leia também:
Polícia Civil prende suspeitos de matar mulheres em Goiás
População realiza protesto contra morte de jovens em Goiânia
Polícia de Goiás tenta conter boatos por medo de linchamento

Prisões

A Polícia Civil de Goiás prendeu dois suspeitos de envolvimento nos assassinatos. Os suspeitos não tiveram a identidade reveladas. Um dos homens foi preso na madrugada deste sábado (9), na cidade de São Luis dos Montes Belos, a 120 km de Goiânia. Em filmagens de circuíto interno de segurança, o homem aparece roubando uma padaria após a morte de uma das vítimas no último fim de semana. À polícia, o homem disse que roubou a padaria, mas negou participação nos assassinatos.

Mais:
"Ela iria casar no fim do ano", diz irmã de jovem morta por motociclista em GO
Polícia de Goiânia faz megaoperação para tentar resolver série de crimes
Polícia procura possível serial killer que teria matado 12 mulheres em Goiânia

A primeira prisão aconteceu na última quinta-feira (7). Segundo a polícia, um homem moreno claro e alto (cerca de 1,80) já vinha sendo monitorado. Em depoimento, o suspeito também negou envolvimento nas mortes de mulheres por motociclistas. Na casa do suspeito, foram encontrados uma moto preta, alguns capacetes e roupas também pretas. O homem permanece detido até o final da força-tarefa da Polícia Civil.

Investigações

A Polícia Civil de Goiás montou uma força-tarefa com 108 policiais para tentar resolver os casos. Segundo informações de Reinaldo Koshiyama de Almeida, delegado de policia e coordenador de planejamento operacional da Policia Civil, as investigações contam com 16 delegados, 23 escrivães, 70 agentes policiais. Além desses crimes, mais duas tentativas de homicídio com características semelhantes também estão sendo investigadas.

Segundo o delegado, a polícia não descarta a possibilidade da atuação de um serial killer. "A existência ou não de um serial killer só poderá ser comprovada quando todos os 18 procedimentos forem finalizados". Apesar das investigações já terem começado, não há uma previsão de quando os inquéritos serão concluídos. "Os homicídios são crimes muito complexos, que envolvem estratégias e coisas que não depende só da polícia, por isso, ainda não podemos estipular quando os casos serão concluídos, mas estamos trabalhando para que isso aconteça o mais rápido possível".

A polícia está divulgando uma conta criada no WhatsApp para que as pessoas possam fazer denúncias e enviar informações sobre os casos de forma anônima. O número é (62) 8533 - 0197. A população também pode ajudar atráves do nímero 197, que é o disque denúncia da Polícia Civil de Goiânia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.