Para ajudar nas investigações, polícia criou um grupo em aplicativo de celular para troca de informações sobre os casos

A Polícia Civil de Goiás montou uma força-tarefa com 108 policiais para tentar resolver uma série de assassinatos que acontece em Goiânia desde janeiro deste ano. Até agora, 15 mulheres e um rapaz já foram mortos por motociclistas. Segundo informações de Reinaldo Koshiyama de Almeida, delegado de policia e coordenador de planejamento operacional da Policia Civil, as investigações contam com 16 delegados, 23 escrivães, 70 agentes policiais. Além desses crimes, mais duas tentativas de homicídio também estão sendo investigadas.

Leia também:
Família de mulher morta em Goiânia oferece R$ 10 mil por pistas
População de Goiânia realizará protesto em repúdio ao assassinato das 12 jovens

"Cada delegado ficou responsável por dois ou três procedimentos que têm circunstâncias semelhantes. Mas todos os casos também estão sendo investigados em conjunto", afirmou Almeida. 

Para ajudar nas investigações foi criado um grupo no aplicativo de celular WhatsApp para trocar informações sobre os crimes. "O grupo serve para que a comunicação entre nós seja mais rápida e para nos ajudar a trocar qualquer informação sobre os casos", disse Almeida.

Mais:
Vídeo mostra motociclista suspeito de matar menina em Goiânia
Polícia procura possível serial killer que teria matado 12 mulheres em Goiânia

Segundo o delegado, a polícia não descarta a possibilidade da atuação de um serial killer. "A existência ou não de um serial killer só poderá ser comprovada quando todos os 18 procedimentos forem finalizados". Apesar das investigações já terem começado, não há uma previsão de quando os inquéritos serão concluídos. "Os homicídios são crimes muito complexos, que envolvem estratégias e coisas que não depende só da polícia, por isso, ainda não podemos estipular quando os casos serão concluídos, mas estamos trabalhando para que isso aconteça o mais rápido possível".

A polícia está divulgando uma conta criada no WhatsApp para que as pessoas possam fazer denúncias e enviar informações sobre os casos de forma anônima. O número é (62) 8533 - 0197.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.