Segundo ele, grupos chegaram à conclusão de que protesto pacífico não funcionaria para atingir objetivos propostos

Agência Brasil

O promotor Luís Otávio Figueira Lopes, da 26ª Promotoria de Investigação Penal do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), apontou que ativistas decidiam em reuniões fechadas as ações violentas em manifestações nas ruas do Rio. A indicação está no texto da denúncia encaminhada por ele na última sexta-feira (18) ao juiz da 27ª Vara Criminal da Capital, Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau. Após o recebimento da denúncia, o juiz decretou as prisões preventivas de 23 ativistas.

Leia mais:
Protesto no Rio pede libertação de ativistas presos em operação da Polícia Civil
Advogado de ativistas foragidos diz que clientes não se entregarão à polícia

De acordo com o promotor, com a intensificação das manifestações e com as ocupações em regiões da cidade houve a tentativa de unificação dos grupos com a criação da Frente Independente Popular (FIP), que conforme o texto era gerida em reuniões públicas e em outras de natureza fechada nas quais participavam as lideranças. “Nessas reuniões estabeleceu-se que o protesto pacífico não seria meio hábil ao alcance dos objetivos dos grupos, tendo sido, então, definido que deveria ser incentivada a prática de ações violentas no momento das manifestações, tais como a depredação de bancos, de estabelecimentos comerciais e o ataque a ônibus e viaturas policiais”, indicou o promotor no texto.

Ele disse que Elisa Quadros Pinto Sanzi, a Sininho, pode ser identificada como uma das principais lideranças da FIP junto com Igor Mendes da Silva, Leonardo Fortini Baroni Pereira, Emerson Raphael Oliveira da Fonseca, Camila Aparecida Rodrigues Jourdan, Felipe Proença de Carvalho Moraes, Luiz Carlos Rendeiro Junior e Drean Moraes De Moura Corrêa. O promotor indicou que esses ativistas foram responsáveis pela decisão de incitar os ocupantes do movimento Ocupa Câmara [na Câmara Muncipal do Rio, em agosto 2013] a promoverem a queima de um ônibus, o que foi feito após a realização de uma das reuniões fechadas da frente.

O promotor atribui ainda a Elisa Quadros a orientação para incendiar o prédio da Câmara. “Também durante tal ocupação, Elisa Sanzi foi vista comandando manifestantes no sentido de carregarem três galões de gasolina para a Câmara Municipal, passando a incitar os demais manifestantes a incendiar o prédio, objetivo não alcançado em razão da intervenção de outros participantes dos atos, fatos apontados no depoimento da testemunha XXXXXXXX [não identificada no texto]”, informou.

Para ele, Filipe Proença de Carvalho Moraes, Camila Aparecida Rodrigues Jourdan e Pedro Guilherme Mascarenhas Freire desempenham função de direção na Organização Anarquista Terra e Liberdade (OATL), que se reporta diretamente à direção da FIP.

“As atribuições de tal grupo incluem o planejamento dos atos violentos, bem como a preparação do material ofensivo a ser utilizado nos confrontos: coquetéis-molotov, artefatos explosivos, além de fogos de artifício alterados para adquirirem potencial lesivo, como, por exemplo, com a colocação de pregos em morteiros, posteriormente disparados em direção aos agentes de segurança pública”, destacou, indicando ainda que Felipe Frieb de Carvalho, Pedro Brandão Maia, Bruno de Sousa Vieira Machado, André de Castro Sanchez Basseres e Joseane Maria Araújo de Freitas “eram incumbidos de efetuar a distribuição de tal material, bem como utilizá-lo diretamente na agressão de policiais, muitas vezes disparando artefatos de dentro de veículos e fugindo em seguida”.

Leia também:
Polícia muda estratégia para intimidar e evitar nova onda de protestos
'Não somos ameaça para a população', diz black bloc

A ativista Camila Jourdan participava da elaboração de artefatos que eram disponibilizados para black blocs. Segundo o promotor, isso foi identificado em escutas telefônicas autorizadas pela Justiça.

O advogado Lucas Sada, que faz parte da equipe de profissionais do Instituto de Defensores dos Direitos Humanos (IDDH) e defende André de Castro Sanchez Basseres, Gabriel da Silva Marinho, Luiz Carlos Rendeiro Júnior, Pedro Mascarenhas e Karlayne Moraes da Silva Pinheiro, avaliou que a denúncia do Ministério Público é falha, acrescentando que as acusações serão rebatidas durante o processo. 

Ele também foi contratado pelo Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro para defender a funcionária da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) Joseane Maria Araújo de Freitas. Lucas Sada disse que conversou com ela e que a acusação apontada no texto é falsa. “Ela nunca produziu um coquetel-molotv na vida, nunca atirou um coquetel-molotov, nunca entrou em confronto com a polícia. Essa alegação é uma fantasia”, disse. Na segunda-feira (21), os advogados entrarão com pedido de habeas corpus dos ativistas que estão com prisão preventiva decretada.

Dos 23 ativistas com prisão preventiva decretada, cinco estão detidos no Complexo Penitneciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste. Os outros são considerados foragidos pela polícia.

Relembre um ano das manifestações de junho:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.