Associação de pilotos diz que uso de álcool em folga não afeta segurança de voos

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo pesquisa, 23,5% dos pilotos bebem com regularidade acima da recomendável, consequência do estresse no trabalho

A Associação Brasileira de Pilotos da Aviação Civil (Abrapac) afirmou, em nota enviada ao iG na tarde desta sexta-feira (11), que o uso de álcool classificado como "de risco" por parte dos profissionais da categoria não afeta a segurança de passageiros e tripulantes em voos regulares no Brasil. Segundo a pesquisa "Fadiga Crônica, Condições de Trabalho e Saúde em Pilotos Brasileiros", divulgada pela entidade nesta semana, quase 25% dos pilotos apresentam hábitos de consumo de bebidas além dos recomendáveis, o que na prática significa serem mais propícios a desenvolver dependência no futuro.

Leia mais:
Quase 25% dos pilotos da aviação civil têm hábitos de risco no consumo de álcool

Elaborado com metodologia científica, com a participação direta de 1.235 pilotos, o estudo chegou aos dados sobre consumo de álcool por meio do AUDIT (The Alcohol Use Disorders Identification Test - teste de identificação de desordem no uso de álcool), método criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) composto por um questionário simples que visa a identificar os graus de uso de bebidas alcoólicas entre as pessoas. A conclusão aponta que 23,5% dos pilotos estão na categoria "uso de risco" de álcool e 1%, na de "uso nocivo" (possível dependência).

"Os 25% são de pilotos que bebem álcool em quantidade e frequencia que implicam algum risco de desenvolverem alcoolismo no futuro. Como acontece com muitas outras profissões, inclusive em porcentagem bem maior", justifica a associação.

Piloto com mais de seis anos de experiência na aviação ouvido pelo iG relatou serem comuns casos de profissionais da categoria que passam madrugadas ingerindo bebidas alcoólicas e, após dormirem poucas horas, vão ao trabalho, mesmo sonolentos. Segundo ele, isso ocorre principalmente devido à dificuldade de vida social na categoria em decorrência das poucas folgas, longas jornadas e do ofício estressante.

A Abrapac enfatiza que, mesmo o piloto com maior propensão ao uso frequente do álcool, é "virtualmente impossível entrar no cokpit de um avião alcoolizado". "Pilotos chegam ao aeroporto pelo menos duas horas antes do voo e, durante esse tempo, permanecem no D.O. (depto. de operações) da companhia recebendo instruções e fazendo checagens e briefings com diversos colegas. Durante esse tempo, qualquer estado alterado pode ser facilmente percebido pelos demais. E é norma no mundo todo os colegas (comissários, copilotos, despachantes de voo etc.) reportarem imediatamente, antes do voo, qualquer suspeita de embriaguez. Em nome, inclusive, de sua própria segurança."

Conheça os superaviões que vão dominar os ares:

O revolucionário sistema dobrável das asas do Boeing 777x permitirá sua operação em aeroportos com tamanho padrão, de 65m. Foto: DivulgaçãoA Boeing diz que o conceito aerodinâmico do 777x está focado na redução do tempo de voo. Foto: DivulgaçãoA envergadura (distância entre as pontas das asas) é crucial para a eficiência de um avião: quanto maior, mais eficiente e econômico. Foto: DivulgaçãoFabricada pela GE, as turbinas do 777x têm avanços tecnológicos que garantem mais potência e menor consumo de combustível. Foto: DivulgaçãoA Boeing disponibilizou poucas informações sobre o 777x - as primeiras aeronaves deverão voar comercialmente apenas em 2020. Foto: DivulgaçãoAs asas do 777x são um composto de fibra de carbono reforçado com plástico, materiais que garantem leveza e durabilidade. Foto: DivulgaçãoQuatro estados americanos brigam para abrigar a fábrica desses aviões gigantes que a Boeing colocará no ar em seis anos . Foto: DivulgaçãoA versão 10 do Boeing 787 é outra aposta da companhia norte-americana para fazer frente ao Airbus A-350, produzida por um consórcio europeu. Foto: DivulgaçãoO Boeing 787-10 deverá levar no máximo 330 passageiros. Foto: DivulgaçãoO Airbus A-350 tem uma grande vantagem com relação a seus concorrentes: já está sendo testado de fato, no ar. Foto: DivulgaçãoFrança, Alemanha, Espanha e Reino Unido fazem parte do consórcio que fabrica os aviões da Airbus, como o A-350. Foto: DivulgaçãoInovações do A-380 (que tem uma versão para 555 passageiros, a maior capacidade do mundo) foram incorporadas à família do A-350. Foto: DivulgaçãoO A-350 precisou ser remodelado totalmente - agora é apresentado como a versão XWB. O mercado rechaçou o projeto original. Foto: DivulgaçãoO luxuoso interior do A-350, que já está em fase avançada de testes. Foto: DivulgaçãoO primeiro voo do Airbus A-350 ocorreu em maio do ano passado. Espera-se que o avião comece a operar comercialmente anda no primeiro semestre de 2014. Foto: DivulgaçãoA envergadura das asas da família A-350 é de 64,7 metros, uma área total de 442 metros quadrados. Foto: DivulgaçãoO Airbus A-350 terá três versões (800, 900 e 1000), para 276, 315 e 369 passageiros. Foto: Divulgação


Leia tudo sobre: igaviãopilotosabrapacálcool

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas