Policiais federais do Rio e de Minas rejeitam proposta para evitar greve

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

De acordo com nota do sindicato fluminense, não houve atendimento satisfatório às reivindicações de reajuste salarial

Agência Brasil

Os sindicatos dos Servidores da Polícia Federal dos Estados do Rio e de Minas Gerais decidiram rejeitar a proposta apresentada pelo governo, no último domingo (25), como resposta às suas reivindicações trabalhistas. De acordo com a nota do sindicato fluminense publicada na internet, não houve novidades em relação à oferta rejeitada por todos os sindicatos do país na quinta (22).

"Por entenderem que os novos termos não apresentam mudança significativa e que não atendem satisfatoriamente às reivindicações da categoria, os sindicatos do Rio de Janeiro e de Minas Gerais – integrantes do grupo de cinco estados que representam 80% da categoria em todo o Brasil – decidiram manter a rejeição. O posicionamento de todos os sindicatos será divulgado até a próxima sexta-feira, dia 30", diz a nota.

O texto afirma que o reajuste de 15,8% não cobre as perdas salariais dos últimos sete anos e manifesta desconfiança em relação à criação de um grupo de trabalho para analisar possíveis mudanças na carreira dos cargos de escrivães, papiloscopistas e agentes.

"Em 2011, com o objetivo de acabar com a histórica greve nacional dos policiais federais que durou 72 dias, o governo já havia formado um grupo de trabalho que não apresentou qualquer resultado à categoria", informou a assessoria de imprensa do sindicato.

No final de abril, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que não acreditava em uma paralisação da categoria durante a Copa do Mundo, por haver uma decisão do Supremo Tribunal Federal que garante a ilegalidade de greves nas polícias Civil e Militar. Procurada, a Polícia Federal afirmou que não se manifestaria sobre a questão.

Leia tudo sobre: polícia federalgreveigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas