PF cumpre mandados da segunda fase da Operação Lava Jato no Rio e São Paulo

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Agentes tem dois mandados de prisão para cumprir. Pelo menos uma pessoas já foi presa na ação desta sexta-feira

Agência Brasil

Vinte e cinco dias depois de desarticular uma organização criminosa especializada em lavagem de dinheiro, suspeita de movimentar mais de R$ 10 bilhões, e prender o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef, agentes da Polícia Federal cumprem nesta sexta-feira (11) mais dois mandados de prisão, quatro de condução coercitiva e 15 de busca e apreensão em São Paulo e Campinas, no Estado de São Paulo e em Macaé e em Niterói, no Rio de Janeiro. Pelo menos uma pessoa já foi presa.

Leia também: 

Operação Lava Jato prende 24 e apreende obras de arte, bens e R$ 5 milhões

Presidente do Conselho de Ética pedirá à PF informações sobre Vargas e doleiro

De acordo com a PF, a ação visa a obter documentos que auxiliem nos trabalhos de investigação iniciados com a Operação Lava Jato. Na operação, deflagrada em 17 de março, além das prisões do ex-diretor da Petrobras e de Youssef, foram apreendidos veículos de luxo e grande quantia de dinheiro em moeda nacional e estrangeira - dólares e euros.

PF apreende farta quantia de reais e dólares no Rio de Janeiro. Foto: Divulgação/Polícia FederalPF apreendeu grande quantidade de dinheiro em cofre na cidade de Londrina, no Paraná. Foto: Divulgação/Polícia FederalEntre os crimes investigados estão contrabando de pedras preciosas e desvios de recursos públicos. Foto: DivulgaçãoSão cumpridas também ordens de seqüestro de imóveis de alto padrão, além da apreensão de patrimônio adquirido por meio de práticas criminosas. Foto: DivulgaçãoCarro de luxo apreendido pela PF. Foto: DivulgaçãoEntre os bens apreendidos, foram encontradas obras de arte no Paraná. Foto: Divulgação/PFPosto de combustível no DF onde foram feitas apreensões. Foto: Divulgação/PFOperação Lava Jato da Polícia Federal. Foto: Divulgação

A operação foi intitulada Lava Jato porque o grupo usava uma rede de lavanderias e postos de combustíveis para movimentar os valores. A organização contava com quatro grupos que tinham à frente doleiros que lucravam com câmbio paralelo ilegal, mas também praticavam crimes como tráfico de drogas, exploração e comércio ilegal de diamantes e corrupção de agentes públicos, entre outros.

Juntos, os grupos movimentaram mais de R$ 10 bilhões nos últimos três anos, de acordo com informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), do Ministério da Fazenda.

Leia tudo sobre: pfpolícia federaloperação lava jato

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas