Instituto ressalta que continua válido um número preocupante: 58,5% dos entrevistados concordaram com a ideia de que "se as mulheres soubessem se comportar, haveria menos estupros"

BBC

A correção emitida nesta sexta-feira (4) pelo Ipea (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas), afirmando que é menor (26%, e não 65%) a quantidade de entrevistados que concordaram com a ideia de que mulheres com roupas curtas merecem ser atacadas "desqualifica o Ipea, não nosso protesto", opina Nana Queiroz, criadora da campanha de Facebook "Eu não mereço ser estuprada".

Leia também:
Resultado de pesquisa sobre ataques contra mulheres estava errada, diz Ipea
Ação que dá alfinete no Metrô pode transformar vítima em agressor, diz advogado

Nana Queiroz teve a ideia da campanha nas redes sociais 'Não mereço ser estuprada', após pesquisa do Ipea
Reprodução
Nana Queiroz teve a ideia da campanha nas redes sociais 'Não mereço ser estuprada', após pesquisa do Ipea

"Isso porque 26% é uma porcentagem muito grande e vamos lutar até chegar a zero", diz Queiroz à BBC Brasil. "Na verdade não ficamos tristes, ficamos felizes, porque a sociedade está menos atrasada do que pensávamos."

O Ipea pediu desculpas e afirmou, em comunicado, que "o erro relevante" foi causado por uma troca de gráficos: 65% refletem a concordância parcial ou total à pergunta "Mulher que é agredida e continua com o parceiro gosta de apanhar".

A pesquisa: Brasileiro ainda considera mulher responsável por violência sexual

Questionados se "Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas", 26% dos entrevistados concordaram total ou parcialmente; 58,4% discordaram totalmente.

"Com a inversão dos resultados, relatamos equivocadamente resultados extremos para a concordância com a segunda fase, que, justamente por seu valor inesperado, recebeu maior destaque nos meios de comunicação e motivou amplas manifestações e debates", prosseguiu o comunicado.

Mas o instituto ressalta que continua válido um número preocupante: 58,5% dos entrevistados concordaram com a ideia de que "se as mulheres soubessem se comportar, haveria menos estupros".

"As conclusões gerais da pesquisa continuam válidas, ensejando o aprofundamento das reflexões e debates da sociedade sobre seus preconceitos", concluiu o comunicado, assinado pelos pesquisadores Natália Fontoura e Rafael Guerreiro Osório - que pediu sua exoneração do cargo de diretor de estudos e políticas sociais do Ipea.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.