Ponte sobre o Rio Madeira vai ligar o Acre a Rondônia, diz Dilma

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

A única via terrestre que liga os Estados há quase um mês está parcialmente bloqueada por causa da cheia do rio

Agência Brasil

Em visita a Rio Branco, capital do Acre, na tarde deste sábado (15), a presidenta Dilma Rousseff disse que a construção de uma ponte sobre o Rio Madeira vai ligar o Acre a Rondônia. Hoje, a única via terrestre que liga os estados castigados pelas cheias é a BR-364 que há quase um mês está parcialmente bloqueada porque a cheia do rio inundou partes da rodovia. "Nós faremos a ponte sobre o Rio Madeira e isso vai beneficiar a todos vocês", prometeu Dilma.

Roberto Stuckert Filho/Presidência da República
Dilma em visita ao Acre, afetado pela cheia do rio Madeira


Na capital acriana, além de se reunir com o governador do estado, Tião Viana, e com o prefeito Marcus Alexandre, a presidenta sobrevoou as áreas afetadas pela cheia do Rio Acre e visitou os desabrigados alojados no Parque de Exposições, em Rio Branco. A cheia do Rio Acre já deixou mais de 4 mil pessoas desabrigadas na capital.

“Estamos aqui porque parceiro não pode faltar na hora difícil. Temos um desafio de garantir alimentos à população do Acre. Me preocupa a situação do Acre. Vocês não podem ficar isolados. Vamos juntos dar as mãos e garantir a ligação do Estado com o país”, disse a presidenta.

Para o governador Tião Viana a notícia da construção da ponte foi um presente. "Além do apoio da presidenta, este é o maior presente" comemorou. Dilma destacou que o governo federal está solidário à situação dos Estados atingidos pelas cheias e que a Força Aérea manterá o apoio, na região, “até quando for necessário".

Voo: Dilma sobrevoa Rio Madeira e diz que usinas não podem ser culpadas por cheia

Quarta-feira: Dilma promete auxílio a vítimas de enchente no rio Madeira, em Rondônia

Mais: Nível dos rios Acre e Madeira voltou a subir

Estimativa do governo de Rondônia é de prejuízo público e privado em torno de R$ 1 bilhão. Foto: Divulgação/Governo de RondôniaMoradores atingidos pela cheia transportam eletrodomésticos de canoa em Rondônia. Foto: Divulgação/Governo de RondôniaGovernador de Rondônia quer que governo federal reconheça estado de calamidade da capital Porto Velho para conseguir liberação de recursos. Foto: Divulgação/Governo de RondôniaParte dos desabrigados foi levada a ginásios de esporte, salas de aula de escolas públicas, salões paroquiais ou acampamentos montados em poucas áreas de terra . Foto: Divulgação/Governo de RondôniaCheia do rio Madeira afeta 12 mil moradores de Rondônia. Foto: Divulgação/Governo de Rondônia

"Um fato muito importante é que não ocorreu nenhuma morte e não houve nenhum ferido na região, mesmo havendo um quadro tão crítico. Isso se deve às políticas adequadas feitas aqui", elogiou a presidenta.

Dilma destacou as parcerias que o governo federal tem com o governo do Acre. "Garantimos apoio na assistência e no resgate dos desabrigados e desalojados, agimos também na reconstrução depois de tudo isso. [Apoiaremos] qualquer ação estrutural que melhore nossa convivência com a chuva, porque a gente não acaba com ela e temos que aprender a conviver de forma mais efetiva com a chuva".

Durante visita às áreas atingidas pelas cheias do Rio Madeira, a presidenta disse que já está liberado o saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) a todas as pessoas afetadas pela calamidade no Norte do país. Outra medida tomada pelo governo foi a prorrogação, por três meses, do pagamento do seguro-defeso, liberado aos pescadores no período de reprodução dos peixes quando a pesca é proibida.



Leia tudo sobre: Rio MadeiraAcreRondôniaCheias

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas