Pacientes reclamam de superlotação, demora no atendimento e descaso: “querem se livrar de mim”, diz mulher de 70 anos

Conhecido pela superlotação de seu pronto-socorro, o Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo (Iamspe) agora é alvo de reclamações em uma de suas especialidades, a ortopedia.

Leia também: Com tumor no cérebro, paciente espera por atendimento no corredor

Pacientes aguardam até 8h atendimento no Hospital do Servidor

Superlotação se mantém 1 ano após promessa de reforma

Reportagem do iG flagrou bate-boca entre pacientes e funcionários, que tentam administrar o atendimento de centenas de servidores públicos – a maioria idosa – que se espremem pelo corredor destinado a quem precisa cuidar de ossos e articulações.

Idosa de 70 anos, que preferiu guardar sigilo sobre seu nome, sofreu rejeição na prótese que colocou no joelho.
Wanderley Preite Sobrinho/iG
Idosa de 70 anos, que preferiu guardar sigilo sobre seu nome, sofreu rejeição na prótese que colocou no joelho. "Eu avisei que estava inflamado e ninguém me ouviu"

Uma delas é a aposentada C.P.E (70), com artrose nos dois joelhos. “Parece que eles querem se livrar de mim. Quando eu reclamei de dores depois que colocaram a prótese, eles me ignoraram, agora minha perna está inchada e corro o risco de precisar passar por outra cirurgia para retirar a prótese. Estou com medo.”

Problema semelhante enfrenta a servidora Angélica Rogai, que preferiu esperar no corredor ao lado, onde havia lugar para sentar. “Eles demoram de três a quatro meses para atender. Como ainda não tenho 60 anos, não posso colocar prótese pelo SUS [Sistema Único de Saúde] ou pelo Estado, mas eu já não tenho firmeza nos joelhos. Essa semana mesmo eu cai.”

Aguardando desde as 8h30, Célia Aires Manfre (37) reclamava em voz alta a espera de quatro horas para que a filha, adolescente, passasse por um exame. “Estamos desde maio do ano passado aguardando resposta para saber se ela precisa operar a coluna”, lamenta. "Se não descontassem da gente todo mês, eu aguentaria calada”.

Professora, ela explica que o Iampse – autarquia que administra o hospital – desconta mensalmente 2% dos salários de servidores estaduais. “Descontam quase R$ 200 por mês do meu salário. Uma diretora de escola paga de R$ 300 a R$ 400."

Questionada pela reportagem sobre as providências para o setor, a assessoria do Iamspe se recusou a responder.

Veja abaixo imagens do Hospital do Servidor:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.