Conheça as festas e delícias que são patrimônio brasileiro

Por Clarice Sá |

compartilhe

Tamanho do texto

Frevo e samba-enredo compõem lista de 29 bens culturais com o acarajé, o queijo minas e as panelas da moqueca capixaba

O frevo e o samba-enredo, que levam milhares de foliões às ruas do Pais neste carnaval, são duas das dez formas de expressão que compõem o conjunto de 29 patrimônios culturais imateriais brasileiros. A lista conta também com dois lugares, oito celebrações e nove saberes, de acordo com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Bahia - Festa do Senhor Bom Jesus do Bonfim. Foto: Rita Barreto/ Bahiatursa.Goiás - Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis. Foto: Divulgação/IPHANMinas Gerais - Ofício do Sineiro. Foto: Divulgação/IPHANMaranhão - Tambor de Crioula. Foto: Divulgação/IPHANAmazonas - Sistema Agrícola Tradicional do Rio Negro. Foto: Divulgação/IPHANPará - São Sebastião na Região do Marajó. Foto: Divulgação/IPHANBahia - Samba de Roda do Recôncavo Baiano. Foto: Divulgação/IPHANRoda de Capoeira. Foto: Divulgação/IPHANMato Grosso - Ritual Yaokwa do Povo Indígena Enawene Nawe. Foto: Divulgação/IPHANAmapá - Arte Kusiwa – Pintura Corporal e Arte Gráfica Wajãpi. Foto: Divulgação/IPHANEspírito Santo - Ofício das Paneleiras de Goiabeiras. Foto: Divulgação/IPHANRio de Janeiro - Matrizes do Samba: Partido Alto, Samba de Terreiro e Samba-Enredo. Foto: Divulgação/IPHANRio de Janeiro - Jongo no Sudeste. Foto: Divulgação/IPHANPará - Círio de Nossa Senhora de Nazaré. Foto: Futura PressRio Grande do Norte - Festa de Sant' Ana de Caicó. Foto: IphanParaná - Fandango Caiçara. Foto: IphanMaranhão - Complexo Cultural do Bumba-meu-boi. Foto: IphanPernambuco - Feira de Caruaru. Foto: Reprodução/FacebookMato Grosso do Sul - Viola-de-Cocho. Foto: Divulgação/IPHANSergipe - Renda Irlandesa. Foto: iG São PauloPernambuco - Frevo. Foto: Sérgio Bernardo/ PCR

Considerado patrimônio cultural desde 2007, o frevo surgiu no fim do século 19 nas cidades pernambucanas de Recife e Olinda. O gênero musical surgiu como expressão de classes populares que se consolidavam em um momento de transição social no país, reunindo música, dança e poesia e atraindo até hoje foliões do Brasil e do exterior a um carnaval participativo que toma conta das ruas.

O samba-enredo, o samba de terreiro e do partido alto formam as matrizes do samba do Rio de Janeiro, que se tornaram patrimônio cultural também em 2007. As três formas de samba se consolidaram no início do século 20 sob influência do jongo, do samba de roda baiano, do maxixe e da marcha carnavalesca. O partido alto está mais ligado à criação coletiva baseada em improviso enquanto o samba de terreiro, às rodas de samba de botequim. Já o samba-enredo foi inventado nas rodas do bairro do Estácio de Sá e incorporado pelas escolas de samba nos desfile de carnaval e embala a folia na Marquês de Sapucaí.

Outras oito formas de expressão são consideradas patrimônio brasileiro: o samba de roda do Recôncavo Baiano, a roda de capoeira (BA), o fandango caiçara (PR e SP), o tambor de crioula do Maranhão, o jongo nos Estados do Sudeste, o toque de sinos em Minas Gerais, a arte Kusiwa (pintura corporal e arte gráfica dos índios Wajãpi, do Amapá) e o Rtixòkò (expressão artística e cosmológica do povo Karajá (MT, GO e TO).

Culinária

O modo de preparo de duas deliciosas iguarias brasileiras também faz parte da lista como saberes. Um deles é o ofício das baianas do acarajé, que preparam os bolinhos de feijão fradinho moídos em pilão de pedra e fritos no azeite de dendê. A receita é originária da África Ocidental, trazida por escravos do Golfo do Benin. 

O outro é o modo artesanal de fazer queijo de Minas nas regiões do Serro e das serras da Canastra e do Salitre. Principal produto da agricultura familiar mineira, ele é preparado com leite cru e o chamado pingo, fermento lácteo natural recolhido do soro drenado do próprio queijo - que dá ao produto final um sabor único, com características específicas, que variam segundo o solo, o clima e vegetação.

Também associado à culinária está o ofício das paneleiras de Goiabeiras, no Espírito Santo. Atividade tradicionalmente feminina, com técnica de origem indígena, a fabricação artesanal das panelas de barro oferece o suporte para o preparo da moqueca e da torta capixabas.

Outros saberes

Há mais seis saberes elencados como patrimônio: o modo de fazer viola-de-cocho (MT e MS), o ofício de sineiro (MG), o ofício dos mestres de capoeira (BA), o sistema agrícola tradicional do rio Negro (AM), o modo de fazer renda irlandesa (SE) e os saberes e práticas associados ao modo de fazer das bonecas Karajá (GO, TO) .

Lugares e celebrações

Os dois lugares registrados são a cachoeira de Iauaretê, lugar sagrado dos povos indígenas dos rios Uaupés e Papuri, no Amazonas, e a feira de Caruaru, em Pernambuco, que reúne saberes, fazeres, produtos e expressões artísticas tradicionais de Pernambuco desde o fim do século 18.

Entre as celebrações, seis são religiosas: a festa do Divino de Paraty (RJ) e a do Espírito Santo de Pirenópolis (GO), a festa do Senhor Bom Jesus do Bonfim (BA), o São Sebastião na região do Marajó (PA), o Círio de Nossa Senhora de Nazaré (PA) e a festa de Sant'Ana de Caicó (RN). O complexo cultural do bumba-meu-boi do Maranhão e o ritual Yaokwa do povo indígena Enawene Nawe (MT) completam a lista.

Leia tudo sobre: brasilculturapatrimônio cultural

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas