Cubanos do Mais Médicos passarão a ganhar US$ 1.245, anuncia ministro

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Atualmente, salário dos cubanos consiste em US$ 400 (R$ 900) pagos pelo governo brasileiro, e US$ 600 (R$ 1.351) pagos pelo governo cubano e retidos em uma conta no país

Agência Brasil

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, anunciou nesta sexta-feira (28) um reajuste salarial de 25% para os profissionais cubanos que trabalham no Brasil por meio do Programa Mais Médicos. A partir de março, eles vão passar a receber US$ 1.245 (R$ 2.803).

Leia também: 

Custo de vida no Brasil assusta médicos cubanos, mas salário ainda é atrativo

Cubana que abandonou o Mais Médicos será desligada do programa, diz ministro

Fabio Rodrigues Pozzebom /Arquivo Agência Brasil
Arthur Chioro anuncia reajuste salarial para os cubanos que fazem parte do Mais Médicos

O salário dos cubanos, atualmente, consiste em US$ 400 (R$ 900), pagos pelo governo brasileiro, e US$ 600 (R$ 1.351), pagos pelo governo cubano e retidos em uma conta no país. O aumento anunciado pela pasta, portanto, é US$ 245 (R$ 551), sendo que o valor total, a partir de agora, será pago no Brasil.

Segundo Chioro, a negociação com a Organização Panamericana de Saúde (Opas) e com o governo cubano para estabelecer o reajuste salarial já estava em andamento quando ele assumiu o comando da pasta, no início do mês de fevereiro. Houve, de acordo com o ministro, uma determinação da presidenta Dilma Rousseff para que o valor pago aos profissionais cubanos fosse revisto.

Mais: AMB cria programa para proteger estrangeiros insatisfeitos com Mais Médicos

Chioro fez questão de ressaltar que não houve aumento dos valores repassados pelo governo brasileiro pela cooperação internacional. “Não vamos gastar um centavo a mais. Vamos continuar pagando o mesmo valor”, disse. O que houve, segundo ele, foi uma alteração nos valores acordados no contrato com o governo cubano.

Chioro rebateu a ideia de que o anúncio do reajuste seria uma resposta à pressão de médicos cubanos como Ramona Rodríguez, que abandonou o programa. “Não há, da nossa parte, nenhuma questão que envolva diretamente pressão dos próprios médicos cubanos, muito menos daquela profissional. Não é o que nos mobiliza. O que nos mobiliza é a necessidade de aprimorar.”

Atualmente, 7,4 mil médicos cubanos atuam no Brasil por meio do Mais Médicos.

Leia tudo sobre: mais médicosmédicos cubanosmédicosambchioro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas