Cheia do Rio Madeira prejudica ano letivo em Rondônia

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

No total, 27 escolas ribeirinhas e 16 urbanas se transformaram em abrigos. Aproximadamente 7 mil alunos estão sem aula

Agência Brasil

O nível do Rio Madeira continua subindo e atingiu hoje (25) a marca dos 18,5 metros. No total, 27 escolas ribeirinhas e 16 urbanas se transformaram em abrigos improvisados. Aproximadamente 7 mil alunos estão sem aula na capital rondoniense.

Mais: Força Nacional é enviada para auxiliar vítimas da enchente em Rondônia

Governo do Acre decreta situação de emergência e aguarda liberação de recursos federais. Foto: Secom Acre/Sergio ValeRio atingiu a marca de 17,81 metros acima do nível normal. Foto:  Marcos Freire / DecomMais de mil famílias estão sendo atendidas em abrigos improvisados, em escolas e igrejas. Foto:  Marcos Freire / DecomEstado deve receber o segundo carregamento de medicamentos enviado pelo Ministério da Saúde. Foto:  Marcos Freire / DecomDoações são recolhidas e distribuídas pela Defesa Civil. Foto:  Marcos Freire / DecomExpectativa é de que o impacto em Rondônia só ocorrerá daqui a cerca de seis dias. Foto:  Marcos Freire / DecomCheia bate recorde no rio Madeira, em Rondônia. Foto:  Marcos Freire / Decom

De acordo com a secretária municipal de Educação, Francisca das Chagas Holanda Xavier, as escolas das comunidades ribeirinhas são as mais prejudicadas, pois muitas precisarão ser reconstruídas. Ela teme, inclusive, que os alunos percam o ano letivo, que começou no dia 10 deste mês.

Segundo o tenente-coronel Denargli da Costa Farias, do Corpo de Bombeiros de Rondônia, a tendência é que chova na Bolívia nos próximos 15 a 20 dias, de acordo com informações do Sistema de Monitoramento da Amazônia (Sipam). "Quando chove lá, a água leva cerca de quatro a cinco dias para chegar aqui, então a tendência é que aumente ainda mais o nível do rio”, explicou.

Os transtornos não se restringem à área educacional. O servidor público Sáimon Rio relata os prejuízos no trânsito da capital. “Porto Velho já tem um trânsito bastante delicado, principalmente decorrente da vinda das hidrelétricas, o que causou um inchaço populacional aqui na capital. Agora, com a enchente no Madeira, o trânsito se torna mais delicado ainda na região central, porque o centro está bem próximo da margem do rio.”

Cerca de 30 bombeiros da Força Nacional atuam em ações de busca e salvamento nas áreas atingidas pela enchente. Eles devem permanecer por 30 dias na capital. Nesta segunda-feira, eles ajudaram no deslocamento de cerca de 60 pessoas que deixaram o distrito de São Carlos, em Porto Velho. Mas, segundo o Vice-prefeito, Dalton Di Franco, 510 famílias ainda resistem em deixar o local.

De acordo com a Sala de Gerenciamento de Crise do município, 1.336 famílias foram retiradas de casa em Porto Velho e em 14 distritos da capital.

Leia tudo sobre: cheiario madeirarondônia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas