Dom Orani Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, é nomeado cardeal

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Cerimônia de posse contou com presença da presidente Dilma Rousseff e participação surpresa do papa emérito Bento 16

Max Rossi/Reuters
Papa Francisco com o recém nomeado cardeal dom Orani Tempesta

Dom Orani Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro,foi nomeado cardeal, ao lado de outros 18 arcebispos. A cerimônia aconteceu neste sábado (22), na basílica de São Pedro, no Vaticano. 

O papa Francisco pediu aos 19 novos cardeais que evitem rivalidades durante uma cerimônia neste sábado (22). O antecessor papa Bento 16, atormentado por escândalos, fez uma aparição surpresa na cerimônia.

Rivalidade entre facções da Curia, a administração central do Vaticano, foi apontada como a culpada por contratempos e escândalos que perseguiram os oito anos de papado de Bento 16, com destaque ao chamado escândalo "Vatileaks" em 2012, no qual o mordomo de Bento roubou documentos pessoais e vazou para a mídia.

Cardeais são os conselheiros mais próximos do papa no Vaticano e em todo o mundo. Além de serem líderes da Igreja em seus países de origem, aqueles que não ficam baseados no Vaticano são membros de comitês importantes em Roma para decidir sobre políticas que podem afetar as vidas de 1,2 bilhão de católicos romanos.

Dezesseis dos novos nomeados são "cardeais eleitores" que se juntarão a 106 cardeais existentes, que também têm menos de 80 anos e, portanto, aptos para participar de um conclave para eleger um papa.

Eles são de países como Brasil, Itália, Alemanha, Grã-Bretanha, Nicarágua, Canadá, Costa do Marfim, Argentina, Coreia do Sul, Chile, Burkina Faso, Filipinas e Haiti. Os não "eleitores" são de países como Itália, Espanha e Santa Lúcia.

Surpresa: Bento 16 aparece em cerimônia de posse de novos cardeais
Pedido: Dilma pede ao papa Francisco mensagem de paz para a Copa no Brasil

Max Rossi/Reuters
Ex-papa Bento aparece em posse de cardeais

Bento, de 86 anos e que renunciou um ano atrás, sentou em silêncio usando um longo casaco branco na primeira fila junto com outros cardeais. Essa foi a primeira vez que ele compareceu a uma cerimônia papal desde sua saída, embora ele e Francisco já tenham se encontrado diversas vezes.

Embora tenha sido pedido ao público dentro da Basílica que não aplaudisse durante a cerimônia, eles bateram palmas quando Bento entrou e novamente quando seu nome foi mencionado por um dos novos cardeais.

Os novos cardeais eleitores têm entre 55 e 74 anos. Da América Latina, estão o Arcepisbo do Rio de Janeiro, Orani Tempesta, o Arcebispo Aurelio Poli, de 66 anos, sucessor de Francisco em Buenos Aires, além de arcebispos de Managua, na Nicarágua, e de Santiago do Chile.

Dois são africanos - arcebispo de Ouagadougou, em Burkina Faso, e Abidjan, na Costa do Marfim. Da Ásia, estão os arcebispos de Seul, na Coreia do Sul, e Cotabato, nas Filipinas.

O Arcebispo Chibly Langlois, de 55 anos, é o primeiro cardeal do Haiti, país mais pobre do Ocidente.

Apenas quatro dos cardeais eleitores são representantes no Vaticano, entre eles Pietro Parolin, arcebispo italiano e novo secretário de Estado do papa Francisco, e o arcebispo Gerhard Mueller, de 66 anos, líder alemão na congregação doutrinal do Vaticano.

A presidenta Dilma Rousseff participou da cerimônia no Vaticano. Ela entregou ao papa uma camisa da seleção brasileira autografada pelo Pelé e uma bola de futebol com a assinatura do ex-jogador Ronaldo Nazário. Dilma também convidou o pontífice para assistir a copa no Brasil e pediu uma mensagem de paz e contra o racismo a Francisco.

*Com informações da Reuters

 

Leia tudo sobre: BRAZILPAPACARDIAIS

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas