Governo isola apagão do baixo nível de reservatórios

Por Brasil Econômico , por Nicola Pamplona e Sonia Filgueiras |

compartilhe

Tamanho do texto

Em meio a alertas sobre o efeito da estiagem nas hidrelétricas, transmissão falha e 11 estados ficam sem luz

Brasil Econômico

Uma falha no sistema de transmissão de energia entre as hidrelétricas do Norte e os maiores mercados consumidores do País deixou centenas de milhares de brasileiros em 11 Estados sem luz na tarde de ontem. O problema ocorreu por volta das 14h30, no trecho entre Colinas (MA) e Serra da Mesa (GO), interrompendo o fluxo de 5 mil megawatts (MW) para essas regiões. Em meio a alertas sobre o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas do país, a área energética do governo se apressou em convocar uma entrevista coletiva para tentar dissociar o apagão do fato de o nível dos reservatórios de água das regiões Sul e Sudeste estarem abaixo do previsto no planejamento governamental.

O blecaute: Falha provoca apagão em parte de quatro regiões do País

Mais: Governo descarta racionamento após apagão que atingiu 6 milhões em 4 regiões

Alexandre Brum
Sinal de trânsito desligado na zona norte do Rio, após apagão provocado por falha no sistema de transmissão de energia do ONS

"O sistema não está trabalhando em estresse. O sistema está trabalhando equilibrado, foi planejado para aguentar condições muito piores", garantiu o secretário-executivo
do Ministério de Minas e Energia (MME), Márcio Zimmermann. "A mensagem que queremos passar é de extrema tranquilidade", completou. Com chuvas abaixo da média para esta época do ano e consumo impulsionado pelas altas temperaturas, o nível dos reservatórios do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste tem caído nas últimas semanas, ao contrário do previsto para este período.

O fluxo de energia pela chamada Interligação Norte-Sul foi restabelecido por voltadas 14h41, informou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), para quem o sistema de proteção funcionou corretamente. A falha levou ao desligamento automático de cargas de energia nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul. Na área de concessão da Light, que abastece parte do Estado do Rio, por exemplo, foram desligadas 17 subestações de energia, interrompendo o fornecimento para cerca de 600 mil clientes nas zonas Norte e Oeste da capital e em municípios da Baixada Fluminense.

"É prematuro informar o motivo do corte, mas aparentemente o sistema funcionou como previsto", disse o presidente da Empresa de Planejamento Energético (EPE), Maurício Tolmasquim, acrescentando que o desligamento preventivo de forma seletiva evitou "um efeito dominó" sem controle, que levaria a um apagão muito maior. "Desta vez, o corte atingiu 8% da carga enão teve desligamento descontrolado", reforçou Zimmermann, lembrando que, no ano passado, uma falha no sistema de transmissão derrubou 100% da cargada região Nordeste.

O incidente desta terça-feira ocorreu um dia depois de o ONS ter comunicado recorde no consumo brasileiro de energia, com um pico de 84,3 mil MW às 15h32 da última segunda-feira. A demanda do subsistema Sudeste e Centro-Oeste também bateu recorde, atingindo 50,8 mil MW às 15h33. Para poupar água nos reservatórios das duas regiões, o ONS tem mandado grandes blocos de energia da região Norte, que opera sob um regime hidrológico diferente, e está com um nível de energia armazenada mais confortável. Segundo o boletim da operação do sistema, na segunda-feira as hidrelétricas do norte exportaram uma carga de 4,4 mil MW médios - 1,7 mil para o Nordeste e 2,7 mil para Sudeste e Centro-Oeste.

Zimmermann rechaçou a relação entre a falta de chuvas e o apagão desta terça-feira. "Falo com muita tranquilidade: tivemos um janeiro muito baixo (referindo-se ao nível de chuvas), apesar de dezembro ter sido muito bom. Mas quando fazemos o nosso planejamento, consideramos situações muito mais severas do que esta", afirmou. Além da maior importação do Norte, o ONS tem acionado grande volume de térmicas para
poupar água nos reservatórios. Na segunda-feira, foram 13,2 mil MW médios, alta de 14% com relação ao verificado no final da semana passada.

Mais do apagão:

■ São Paulo
Foi o Estado mais afetado,com prejuízo a 1,2 milhão de clientes. Houve alto número de reclamações por semáforos desligados. Dez bairros e quatro municípios da Grande São Paulo foram afetados.

■ Rio de Janeiro
O problema atingiu 880 mil clientes em 19 municípios. Também houve problemas com sinais de trânsito. Três hospitais usaram geradores para não interromper o atendimento.

■ Região Sul
O total de clientes afetados chegou a 1,172 milhão nos três estados

■ Centro-Oeste
As concessionárias não informaram o total de clientes sem energia. Ao menos nove municípios foram atingidos em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás.

■ Minas e Espírito Santo
Em Minas, o número de clientes afetados chegou a 230 mil em mais de 60 cidades. No Espírito Santo, três municípios foram atingidos.

Leia tudo sobre: apagãoblecauteonsgovernofalta de energia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas