Presidente da Alshop disse à Folha que tentará marcar encontro com a presidente Dilma Rousseff sobre o tema

A Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) planeja pedir ajuda do governo federal para suspender a realização de rolezinhos para evitar prejuízos e garantir a segurança de funcionários e frequentadores, de acordo com a Folha de S.Paulo desta segunda-feira (20). 

Conheça a home do Último Segundo

Manifestantes fazem 'rolé ativista' na entrada do shopping Leblon

Jovens desistem de rolezinho por ameaça de multa

Veja imagens de rolezinhos:

"Vamos entrar em contato com a Presidência para tentar uma reunião. A Dilma, que chamou as lideranças das manifestações do ano passado, tem de chamar as lideranças desses eventos também", disse à Folha o presidente da Alshop, Nabil Sahyoun. Ele reclamou também da falta de proteção policial. "Entramos na Justiça para conseguir proteção, para evitar que bandos entrem no shopping, mas isso não foi suficiente. As autoridades não tomaram uma atitude no sentido de proteger esses empreendimentos."

Mais:

Shoppings precisam entender 'pureza' dos rolezinhos, diz Netinho de Paula

"É crueldade de classe tratar rolezinho como arrastão", diz sociólogo

"Tem gente infiltrada nesses rolezinhos", diz presidente da Alshop

Neste domingo (19), houve rolezinhos nos shoppings Plaza Sul, em São Paulo e Moinhos Shopping, em Porto Alegre. No Rio de Janeiro, o shopping Leblon fechou as portas, o que não impediu a realização de um protesto a favor de rolezinhos na entrada, chamado por parte dos manifestantes de "rolé ativista". Em Belo Horizonte, um rolezinho marcado no shopping Pátio Savassi foi inibido pela presença da polícia nos arredores. No sábado (18), o shopping JK Iguatemi também fechou as portas, mas não deixou de ser alvo de protesto. No Minas Shopping e no Itaú Power Shopping, em Belo Horizonte, só puderam entrar adolescentes acompanhados pelos pais.  

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.