Secretário do Acre propõe fechar fronteira temporariamente para conter haitianos

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo secretário, atual situação é "insustentável" e a "administração do caos chegou ao limite" com o alto número de imigrantes haitianos no Estado

Agência Estado

O governo do Acre vai propor ao governo federal que a fronteira com o Peru seja fechada para o trânsito de haitianos. Há duas possibilidades de fechamento da fronteira: entre Assis Brasil (Acre) e Iñapari ou no Peru/Equador (entrada dos imigrantes na América do Sul). A alegação do secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos do Acre, Nilson Moruão, é que a atual situação é "insustentável" e que a "administração do caos chegou ao limite". Nas duas possibilidades, são exigidas soluções diplomáticas.

Conheça home do Último Segundo

Gleilson Miranda/Secom/Divulgação
Haitianos se apertam por comida na praça Hugo Poli, em Brasileia, no Acre

Atualmente, 1,2 mil haitianos estão abrigados em um espaço onde cabem, no máximo, 300 pessoas. "Em nome da dignidade dessas pessoas, é preciso que nós tomemos uma atitude urgente", adverte o secretário. "Da forma como está, aquilo ali é uma tragédia anunciada".

Leia também: 

Haitianos revivem no Acre a miséria de um país

Rota de imigração com entrada pelo Acre é ampliada

O secretário de Justiça já informou ao governador do Acre, Tião Viana, sobre a situação e sugeriu o fechamento da fronteira como medida emergencial. Ainda não se sabe exatamente quando o governo do Acre formalizará o pedido.

Desde 2010, a cidade de Brasileia recebe haitianos que chegam ao Brasil pelo Acre utilizando a Carretera Interoceânica. Há três anos o fluxo de imigrantes no mês de janeiro aumenta com a expectativa de que as empresas brasileiras reativem contratos nessa época do ano.

De um fluxo de 30 a 40 em meses como setembro ou outubro, o número aumenta para 70 ou 80 haitianos por dia. "Quando as empresas contratam, eles chegam e vão", diz Mourão. "Mas, se não contratam, eles chegam e ficam".

Em 2012:

Brasil decide controlar entrada de haitianos e limita vistos

Cidade do Acre recebe 550 refugiados do Haiti em 10 dias

Haitianos refugiados no Acre são enviados a SP e Porto Alegre

A situação piora a cada dia. "Se um colchão daqueles pegar fogo, vai ser uma tragédia", preocupa-se o secretário. "O governo do Acre sempre tratou essas pessoas com dignidade, mas a administração do caos chegou ao limite".

A expectativa do governo do Acre é que nesse próximo fim de semana 1,5 mil haitianos estejam alojados em Brasileia. Desde dezembro de 2010, quando chegou o primeiro grupo de haitianos, até hoje passaram pelo Acre 15 mil imigrantes. Já foram registradas brigas este ano entre haitianos e dominicanos no abrigo de Brasileia.

Leia tudo sobre: haitihaitianobrasileiaacreimigração

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas