“É crueldade de classe tratar rolezinho como arrastão”, diz sociólogo

Por Clarice Sá - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Rudá Ricci vê encontros como “occupy da periferia” e diz que despreparo político para lidar com participantes pode provocar reação similar à dos protestos de junho

Os rolezinhos organizados por adolescentes nos shoppings de São Paulo desde o fim do ano passado são reflexo da inclusão social baseada no consumo observada no País nos últimos dez anos, na avaliação do sociólogo Rudá Ricci. Ele explica o fenômeno também pela adaptação dos shoppings às classes populares e à falta de preparo de representantes para lidar com o fortalecimento da influência destas classes no processo político.

Conheça a home do Último Segundo

Os eventos, marcados em redes sociais, reúnem jovens para correr, ostentar roupas caras e paquerar. Comerciantes e frequentadores se assustam com a gritaria e o corre-corre provocado pelos adolescentes. Muitas lojas chegam as fechar as portas durante o evento. Na avaliação de Ricci, no entanto, o movimento não passa de brincadeira.

Mais: Rolezinho no shopping "é para pegar mulher”

Veja fotos de rolezinho em São Paulo:

Ao menos 11 jovens foram detidos e levados para delegacia neste sábado (11), após rolezinho no shopping Itaquera. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloAfastados pela polícia com tiros e bomas de efeito moral, garotos se munem de pedaços de pau para se defender. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGPor uma rede social, adolescentes marcaram rolezinho no shopping Itaquera, zona leste de São Paulo. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloPor volta das 17h, os grupos começaram a chegar ao centro comercial na zona leste de São Paulo. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloNos encontros, os adolescentes ostentam roupas caras e flertam com as meninas. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloPolícia acompanha movimento após jovens marcarem rolezinho no shopping Itaquera. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloJovens fazem rolezinho no shopping Itaquera. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloJovens fazem rolezinho no shopping Itaquera. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloCom medo do grande número de participantes do encontro, comerciantes começaram a fechar as lojas. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloLojas são fechadas durante rolezinho marcado no shopping Itaquera. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloJovens fazem rolezinho no shopping Itaquera. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloPoliciais detêm jovens que participavam de rolezinho neste sábado (11). Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São Paulo

“É de uma crueldade de classe a gente tratar como se fosse um arrastão. Fico realmente surpreso de como somos tão preconceituosos no Brasil. Eles não estão fazendo nada. Ter medo de gente é demais”, diz o estudioso. Ricci afirma que os shoppings deveriam se adaptar à nova demanda deste público, oferecendo espaços de lazer e eventos para atendê-los.

Violência contra 'rolezinho' será apurada em São Paulo, diz Alckmin

Vídeos mostram rolezinho no shopping antes da repressão policial

Polícia usa bala de borracha e spray para acabar com rolezinho em shopping

O que atrai os participantes para os rolezinhos é justamente o posto de prestígio que os shoppings ocupam no mercado de consumo. “É onde está tudo, a TV de plasma, o celular, cinema, comida legal, gente bem vestida. Todo mundo quer estar lá”.

Veja imagens de rolezinho em SP antes da chegada da polícia:

Além disso, ele afirma que os encontros refletem um ressentimento dos jovens consumidores de classes populares que se afirmam ao ocupar o espaço com um movimento de massa. “Na hora em que eles estão em maioria e falam ‘essa praia não é tua, você não é dono’ para o bacana de nariz empinado. É uma forma de você externalizar um sentimento de ressentimento. 'Por que não tenho direito de estar aí? No fundo não temos nenhuma diferença. Sou consumidor, você também'”.

Neste ponto, Ricci vê uma proximidade entre os rolezinhos e os movimentos de ocupação desencadeados ao redor do mundo. Como um “occupy da periferia”, na medida em que se estabelece que é possível estar ali. “Não estou usando como uma dimensão mais politica de pensar em autogestão ou autocontrole. Eles nem de longe pensam nisso.”

No último sábado (11), houve repressão policial em um encontro no Shopping Itaquera, na zona leste. A polícia usou bala de borracha, cassetete e spray de pimenta para conter os jovens. Ao menos dez foram detidos - um deles ficará internado na Fundação Casa até fevereiro. No Shopping JK Iguatemi, no mesmo dia, uma liminar impediu o acesso de menores desacompanhados de adultos.

Veja cenas do corre-corre no Shopping Itaquera:

Para Ricci, a atuação da PM e da Justiça pode provocar reação popular similar à ocorrida nos protestos de junho, quando uma multidão tomou as ruas após ações violentas no centro de São Paulo. “A reação do governo e da PM pode politizar desnecessariamente essa mobilização.”

O ato registrado no último sábado demonstra uma lógica política mais voltada ao processo eleitoral que ao cotidiano do eleitor, na visão de Ricci. Ele aponta ainda a dificuldade da classe política em lidar com uma nova tendência que é o enfraquecimento da influência da classe média formadora de opinião sobre as classes populares na definição do voto.

Na avaliação dele, esta tendência teria provocado a virada de Fernando Haddad sobre Celso Russomano nas eleições municipais de 2012. Este fortalecimento das classes populares é notado desde 2006. 

Leia tudo sobre: igsprolezinhorudá riccishopping itaquerajk iguatemi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas