Dilma: Governo liberou R$ 21 bi para prevenir desastres

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

A presidente relatou, em sua conta no Twitter, que o dinheiro foi destinado a "obras de drenagem urbana, proteção de encostas e proteção de cheias" no Brasil

Agência Estado

A presidente da República, Dilma Rousseff, relatou, nesta sexta-feira, 27, no microblog Twitter, que o governo federal liberou R$ 21,6 bilhões para a prevenção de desastres naturais, com "obras em drenagem urbana, proteção de encostas e proteção de cheias" no País.

Conheça a home do Último Segundo

Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma Rousseff sobrevoa áreas atingidas pela chuva no Espírito Santo

Do total, segundo ela, R$ 13,6 bilhões foram a fundo perdido do Orçamento da União e outros R$ 7,7 bilhões financiados com 20 anos para pagar, 6% (ao ano) de taxa de juros e quatro anos de carência. A presidente não esclareceu, no entanto, para que período esses recursos foram mobilizados.

Leia também: Dilma visita região afetada pela chuva no Espírito Santo

Dilma relatou novamente a assinatura, ontem, da Medida Provisória (MP) que dá rapidez e eficiência na realização desses investimentos, "que simplifica a liberação dos recursos federais relativos às ações de prevenção realizadas pelos municípios e Estados. Com essa MP, prefeitos e os governadores poderão planejar, fazer projetos e mais rapidamente investir na prevenção dos desastres naturais".

Prevenção

Na cidade de Governador Valadares (MG), a presidente disse hoje que a prioridade dos governos é evitar mortes em casos de desastres, como as enchentes ocorridas na região do Vale do Rio Doce, em Minas. "Quando há desastre, temos de evitar mais morte. É difícil impedir que chova, mas podemos conviver com a chuva e (fazer) ações para impedir que haja mortes", disse ela em entrevista no aeroporto da cidade.

Segundo ela, é necessária ainda uma ação conjunta de prevenção entre os governos federal e estadual, com mecanismos de alerta, como pluviômetros, radares, e mapeamento de riscos de nos municípios com situação mais grave e que tiveram históricos de chuvas e deslizamentos. "Reconstrução pesada tem de esperar parar a chuva, outra ação é a de prevenção, são obras de contenção de cheias e de drenagem", disse.

Leia tudo sobre: igbrasilenchentesdefesa civildilmachuvastemporal

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas