Defesa Civil corrige para 23 número de mortos no Espírito Santo

Por iG São Paulo * |

compartilhe

Tamanho do texto

Mais de 60 mil pessoas foram expulsas de casa no Estado. Em MG, 18 corpos foram encontrados após desabamentos

A Defesa Civil do Espírito Santo corrigiu para 23 o número de mortos no Estado desde o início das chuvas, há uma semana. Duas pessoas estão desaparecidas - Júlio César Cleto, de 19 anos, e Daniel Cleto, de 3. Eles foram soterrados, na cidade de Baixo Guandu, e estão sendo procurados. O órgão divulgou na tarde de quinta-feira (26) que 27 pessoas haviam morrido no Espírito Santo. A falha foi atribuída à dificuldade de comunicação com as secretarias municipais de Defesa Civil. Dos 60 municípios capixabas, 52 foram afetados pelas chuvas, que deixaram 61.379 desalojados. 

Conheça a home do Último Segundo

Ministério da Saúde vai enviar remédios e equipes médicas para o ES

Chuva ainda causa estragos e alagamentos em Serra (ES) nesta terça-feira (24/12). Foto: Flávio GSouza/Futura PressDilma Rousseff sobrevoa áreas atingidas pela chuva no Espírito Santo (24/12). Foto: Roberto Stuckert Filho/PR Chuva causou estragos e alagamentos na rodovia ES-010, na cidade de Serra (23/12). Foto: Alex Gouvêa/Futura PressAlagamentos no bairro Jacaraípe, em Serra (ES. Defesa Civil oferece apoio aos atingidos (23/12). Foto: Alex Gouvêa/Futura PressSegundo a Defesa Civil, uma pessoa morreu no domingo, no município de Itaguaçu (22/12). Foto: Defesa Civil/ESEstado do Espírito Santo foi atingido por forte chuvas no final de semana; mais de 40 mil deixaram suas casas (21/12). Foto: Defesa Civil/ES

De acordo com a Defesa Civil do Estado, voltou a chover forte Barra de São Francisco e Rio Bananal, áreas que já haviam sido atingidas anteriormente. Moradores que já estavam retornando para suas casas tiveram de buscar abrigo em alojamentos e casas de amigos e parentes.

Moradores resistem a deixar casas no interior do Espírito Santo

Governo não consegue administrar doações para vítimas das chuvas

Entre os desalojados, 5.689 pessoas estão acolhidas em abrigos e 55.690 estão em casas de pessoas próximas. De acordo com o último boletim divulgado, "o levantamento das pessoas afetadas continua prejudicado pela dificuldade de acesso a muitas localidades, algumas totalmente isoladas pela intensa inundação, sem comunicação, água potável e energia elétrica".

Minas Gerais

Em Minas Gerais, um desabamento de terra , em Juiz de Fora, na Zona da Mata, matou Maria da Conceição Aparecida do Nascimento, 50 anos, elevando para 18 o número de mortos por causa das chuvas.

A Defesa Civil tinha confirmado na quarta-feira (25) a morte da 17ª vítima, o menino Leandro de Souza Batista, 07 anos, que estava desaparecido depois de um desabamento no minicípio de Sardoá. De acordo com a defesa civil de Minas são 3.410 desalojados e 744 desabrigados. Mais de 6 mil casas foram danificadas e 67, destruídas.

Exército

Duzentos e trinta soldados do Exército foram enviados do Rio para o Espírito Santo. Os militares participam desde esta quarta-feira, 25, de ações de socorro às vítimas de alagamentos na Grande Vitória e em cidades do interior capixaba. Além dos soldados do Rio, o Exército está apoiando a Defesa Civil desde a semana passada com 43 militares do 38.º Batalhão de Infantaria, em Vila Velha. No total, são 273 militares.

Das 56 viaturas usadas pelo Exército no Estado, 13 são empregadas na construção de uma ponte com estrutura metálica na Rodovia ES 080, entre as cidades de Vila Velha e Pancas. O Exército também enviou um helicóptero "Pantera", botes e barracas.

No domingo, 22, 72 soldados da Força Nacional de Segurança já haviam chegado a Vitória. O Corpo de Bombeiros do Rio também enviou 20 soldados. No Rio, boletim divulgado pela secretaria estadual de Assistência Social informa que cerca de 200 pessoas permanecem em abrigos em decorrência das chuvas do início de dezembro.

Durante o feriado de Natal, não houve ocorrências graves. Algumas cidades, porém, continuam em estado de alerta. Em Macaé foi registrado o maior número de desabrigados: 105 pessoas permanecem em dois abrigos, no Estádio Municipal e em um prédio vazio, anteriormente destinado ao acolhimento de crianças. Essas famílias perderam suas casas.

*com AE e Agência Brasil

Leia tudo sobre: chuvasminas geraisespírito santo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas