Jovem achada morta com padrasto em GO já foi agredida e ameaçada, diz polícia

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Principal suspeita é que causa das mortes tenha sido explosão de dinamite colocada entre os dois. Polícia ainda acredita que padrasto tenha planejado o crime

A estudante de enfermagem Loanne Rodrigues da Silva Costa, de 19 anos, que foi encontrada morta junto com o padrasto, Joaquim Lourenço da Luz, 47 anos, no Morro do Frota, em Pirenópolis, na última terça feira (17), já havia sido agredida e ameaçada. Segundo informações da Polícia Civil de Goiás, em maio, a jovem chegou a ficar internada no Hospital de Urgências de Anápolis após levar uma paulada na cabeça. Na mesma época, a jovem também teria recebido uma carta anônima a ameaçando.

Conheça a nova home do Último Segundo

Estudante Loanne Rodrigues da Silva Costa e o padrasto foram encontrados mortos e acorrentados pelos pés a uma árvore. Foto: Reprodução/FacebookEla e o padrasto tiveram as barrigas cortadas e órgãos arrancados, segundo a polícia. Foto: Reprodução/FacebookEles teriam ido até o parque na tarde da segunda-feira (16) e não retornaram para casa. Foto: Reprodução/FacebookOs corpos foram enterrados na manhã desta quarta-feira (18), no cemitério de Pirenópolis. Foto: Reprodução/FacebookCaixões ficaram fechados durante todo o velório que aconteceu na madrugada desta quarta-feira (18). Foto: Reprodução/FacebookEstudante Loanne Rodrigues da Silva Costa tinha 19 anos e seu padrasto, Joaquim Lourenço da Luz, tinha 47 anos. Foto: Reprodução/FacebookFoto de Loanne Rodrigues. Foto: Reprodução/FacebookCorpo da menina foi encontrado amarrado em árvore em Pirenópolis. Foto: Reprodução/FacebookOs corpos foram encontrados no Morro do Frota que é uma área de preservação ambiental. Foto: Reprodução/FacebookEnterro aconteceu no cemitério de Pirenópolis. Foto: Reprodução/Facebook

Um laudo da polícia indica que os principais ferimentos das vítimas foram causados por uma explosão. A polícia suspeita que tenha sido causada por uma dinamite que foi colocada entre os dois corpos. Apesar de não haver indícios de uma relação problemática entre os dois, o padrasto segue como o principal suspeito pelas mortes.

De acordo com o delegado que investiga o caso, Rodrigo Luiz Jayme, Joaquim trabalhava em uma pedreira e teria acesso fácil a explosivos. Além disso, uma testemunha ouvida pela polícia afirmou ter o visto no Morro da Frota um dia antes do crime acontecer. Na casa dele, os policiais apreenderam uma corda idêntica a que foi encontrada para amarrar os dois corpos. Um pedaço de corrente também foi encontrada na casa de Joaquim. 

Mais: Padrasto e enteada são encontrados mortos acorrentados a árvore em Goiás

Além disso, a polícia descobriu que há alguns dias Joaquim fez um seguro de vida no nome do filho dele. “Ele teria perguntado no Banco Bradesco se o seguro cobria caso de suicídio”, contou o delegado que investiga o caso.

Nesta quarta-feira (18), a mãe da jovem, Sandra Rodrigues da Silva, e uma amiga de Loanne prestaram depoimento. Sandra disse que nunca estranhou o comportamento de Joaquim em relação à filha. Já a amiga, que não teve o nome divulgado, disse que quando Loanne saia, o padrasto ficava ligando o tempo inteiro. 

Leia tudo sobre: crimegoiáspadrastoenteada

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas