Cubanos chegam a Brasília para preencher vagas da 2ª etapa do Mais Médicos

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo ocupará vagas ociosas do programa; "estamos dispostos a ir a qualquer lugar", diz um dos profissionais

Agência Brasil

Um grupo de 215 médicos cubanos chegou na noite desta segunda-feira (4) para atuar no Programa Mais Médicos. Os profissionais chegaram pouco antes das 22 h e foram recebidos no Aeroporto Internacional de Brasília — Presidente Juscelino Kubitschek pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Eles vão preencher vagas ociosas da segunda etapa do programa.

Conheça a nova home do Último Segundo

José Cruz / Agência Brasil
Grupo de 215 médicos cubanos chega para atuar no Programa Mais Médicos

"Nós, medicos cubanos, estamos dispostos a ir a qualquer lugar para prestarmos serviços" disse Hector Torrez, de 49 anos e há 21 anos exercendo a medicina, que chegou empolgado para trabalhar no programa. Ariel Hernandez, que aos 38 anos tem 12 de experiência, disse que não vai ter dificuldades de comunicação. Ele ressaltou que todos os cubanos que vão atuar no Mais Médicos são generalistas e têm como foco de trabalho a prevenção de doenças crônicas e transmissíveis.

A previsão era que mais 250 médicos chegassem ainda nesta madrugada à capital federal. De acordo com o Ministério da Saúde 2,6 mil médicos chegam ao país até 10 de novembro. Na semana seguinte chegam mais 400 profissionais, todos cubanos. Atualmente, 3.664 profissionais participam do programa, sendo 819 brasileiros e 2.845 estrangeiros. Esses médicos estão atendendo à população de 1.098 municípios e 19 distritos indígenas, a maioria no Norte e Nordeste do país.

Acusados de falsificar diplomas para Mais Médicos serão intimados

Aprovação do Mais Médicos aumenta pressão para saída de Padilha

"Eu tenho acompanhado situações em que se estimula a conclusão das obras [de postos e centros de saúde de municípios] para o atendimento", relatou Padilha. Os cubanos participam do programa por meio de um termo de cooperação firmado entre o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) em agosto de 2013. O ministro adiantou que, se necessário, poderá ser feito um aditivo no contrato com a Opas para a vinda de mais cubanos. Ele reforçou que a intenção é atender à demanda de quase 13 mil médicos apresentada pelos municípios brasileiros até o final de março de 2014.

Como todos os outros médicos com diploma estrangeiro que já estão atuando no Brasil, inicialmente eles vão cursar o módulo de acolhimento e avaliação do programa. A etapa terá início para o primeiro grupo (os 2,6 mil médicos) em 12 de novembro. Serão 1.872 profissionais fazendo o curso em Brasília (DF), 300 em São Paulo (SP), 236 em Fortaleza (CE) e 192 em Belo Horizonte (MG). Mais 400 médicos chegarão a Vitória (ES) a partir de 11 de novembro e farão o curso em Guarapari (ES), entre 18 de novembro e 4 de dezembro. Ao final todos passam por uma avaliação para saber se estão aptos a trabalhar no programa.

Além das três semanas de avaliação, os profissionais ficam em treinamento por uma semana nos estados onde vão atuar. Durante o período, eles estudam as doenças mais comuns da região onde vão trabalhar e conhecem a estrutura hospitalar e de emergência da rede pública.

O edital da terceira etapa está programado para ser publicado em dezembro. "Nós optamos por abrir em dezembro porque os estudantes de medicina do Brasil que estão se formando iriam ter dificuldades de se inscrever se fosse antes disso", disse o ministro. Novas seleções serão abertas em 2014.

Leia tudo sobre: mais médicosbrasília

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas