Na Câmara, advogado do Instituto Royal diz que beagles não foram maltratados

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Câmara dos Deputados realizou audiência nesta terça-feira; manifestantes assistiram à sessão fantasiados

O advogado do Instituto Royal, Alexandre Domingos Serafim, afirmou nesta terça-feira (29), durante audiência pública na Câmara dos Deputados, que todas as pesquisas com animais feitas no instituto têm base na ordem e na legalidade. Ele informou que a entidade tem uma comissão de ética para analisar o tratamento dos animais e certificado de boas práticas de pesquisas com animais. Ele disse também que o instituto não faz testes com animais para cosméticos.

Conheça a nova home do Último Segundo

Antônio Araujo / Câmara dos Deputados
Manifestantes participam de audiência pública sobre as denúncias de maus tratos a animais no Instituto Royal

Serafim representou o instituto em reunião convocada pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável para debater as denúncias de abusos de animais nos testes científicos realizados no laboratório da entidade em São Roque, interior paulista. No último dia 18, ativistas invadiram o laboratório e libertaram 178 cães da raça beagle que estariam sofrendo maus-tratos.

Mais:
"Resgate de beagles é demanda social", diz biólogo que processou universidade

Experimentação animal é cara e resultados são duvidosos, afirmam cientistas

Segundo o advogado, a diretora-geral do Instituto Royal, Silvia Ortiz, e os funcionários chamados para a audiência não puderam comparecer porque estão tentando recuperar o laboratório e fazer o inventário para levantar as perdas sofridas com a invasão. Ele informou que a prefeitura de São Roque suspendeu a licença para funcionamento do instituto porque as instalações foram danificadas. Por pelo menos 60 dias, de acordo com ele, o laboratório não funcionará.

Serafim afirmou também que a entidade tem certificado do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), e todas as instalações em que os cães são tratados respeitam as dimensões reguladas por lei. Ele ressaltou ainda que, em 2013, a pedido do Ministério Público, o Instituto Royal sofreu ampla inspeção. Segundo o advogado, um biólogo verificou o estado de saúde dos animais e constatou que eles gozavam de boa saúde, além de não aparentarem ter sofrido abusos e maus tratos.

Antonio Araújo/Câmara dos Deputados
Manifestantes assistem à sessão plenária em Brasília, nesta terça-feira

Tratamento
Alexandre Serafim disse que o instituto não avalia a eficácia de medicamentos, e, sim, a segurança. Então, não haveria inoculação da doença para depois tratá-la.

O advogado declarou também que a entidade dispõe de locais adequados para recreação dos cães e que, quando os utiliza nas pesquisas, não pratica violência e não utiliza mordaça, seguindo todos os protocolos internacionais adotados pelo Brasil.

Ainda de acordo com Serafim, o instituto não utiliza cães reprodutores em pesquisa e só vende alguns reprodutores, para não ter problema de consanguinidade.

* Com informações da Agência Câmara

Leia tudo sobre: câmara dos deputadosinstituto royalbeaglesigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas