Tamanho do texto

Ativistas voluntários falam sobre os maiores desafios da luta pela proteção animal. "Temos dívidas astronômicas"

As organizações de proteção aos animais no Brasil atuam em sua maioria na informalidade. A opinião é do Marcos Ciampi, fundador da ONG Arca Brasil, uma das maiores do País. Ao menos 200 grupos legalizados contam com diversas opções de captação financeira, segundo ele. E a avassaladora maioria que atua timidamente em diversas cidades? O iG conversou com associações que cuidam de cães e gatos abandonados e convivem com as dívidas e o descaso.

Conheça a nova home do Último Segundo
Assista: Instituto Royal diz em vídeo que vai retomar testes com animais

Nas redes sociais, o discurso é uníssono: a atuação das ONGs e a situação de abandono são ignoradas pelo poder público. O trabalho dos ativistas ganhou espaço na imprensa após o resgate de centenas de cães da raça beagle do Instituto Royal, na cidade de São Roque, interior de São Paulo. Diversos grupos se uniram para invadir o laboratório. Como consequência veio a comoção pública, fundamental para garantir a sobrevivência das associações, que precisam de doações e voluntários para manter as atividades.

Veja alguns dos animais que esperam por um novo dono: 

Outro vídeo: Seria a maior piada do País, diz Luisa Mell sobre ser presa por furto

“No Brasil esse trabalho [de proteção] fica no sobressalto, não conseguimos dar uma estrutura de captação de recursos. Se a ONG é maior, pode contar com apoio de empresas, doações internacionais e convênios públicos. As pequenas usam a criatividade e promovem bingos, bazares e leilões. Vale tudo pelos animais”, explicou Ciampi. Para ele, a responsabilidade precisa ser dividida entre a sociedade e a administração pública. “O poder público não pode ser inteiramente condenado. Se ele agir no plano de prevenção e cumprimentos de leis já existentes, cabe à sociedade a posse responsável”.

Dívidas astronômicas, missão cumprida

Ao menos 400 mil cães e gatos não têm um lar de referência na cidade de São Paulo. Os animais que foram encontrados então divididos no Centro de Zoonoses da Prefeitura de São Paulo e abrigos de ONGs, como a União Internacional Protetora dos Animais (Uipa), com sede na zona norte, que abriga 1.200 bichos.

Cláudia Demarchi, voluntária 24h do Clube dos Vira-Latas, com a cadela Fraldinha
Divulgação
Cláudia Demarchi, voluntária 24h do Clube dos Vira-Latas, com a cadela Fraldinha

“O grupo nos custa R$ 200 mil por mês e todos os meses terminamos no vermelho. Temos uma dívida astronômica”, explicou a presidente Vanice Orlandi que ainda administra uma clínica veterinária. “Toda a renda vai para a Uipa." O tamanho da dívida da ONG é similar ao número de animais que aguardam uma vaga no abrigo da associação. “Se cada pessoa que se ofendesse com a violência animal doasse R$ 20, nossa situação seria outra."

A mesma dificuldade é encontrada pelo Clube dos Vira-Latas, associação com mais de 600 mil seguidores em sua página do Facebook, que é sustentada 90% por doações. Cláudia Demarchi, diretora-geral do grupo, disse que todos os meses “passam raspando”. “Aí que vem o jogo de cintura. Jogamos uma conta para o próximo mês e damos um jeito”, explicou. Atualmente, o Clube hospeda 500 animais, a maioria vítima de violência. “É um ciclo: resgatamos, castramos e doamos. E isso leva pelo menos três meses”. Segundo a voluntária, em 12 anos de ação mais de 7 mil animais passaram pela ONG.

Feirinhas de Adoções

Para abrir vagas e dar uma nova chance aos bichos resgatados, as organizações promovem as ferinhas de doações. E é aí que surge um dos maiores desafios: a adoção dos SRDs (sem raça definida), popularmente chamados de vira-latas.

Feira de adoção da Uipa, na zona norte de SP
Divulgação/Uipa
Feira de adoção da Uipa, na zona norte de SP

“Com o caso do Instituto Royal, todos querem beagles. Fazer o bem não precisa de raça”, defendeu Cláudia. Ela contou ainda que sempre recebe ligações de interessados procurando cães da raça “labradô”, “yorki chalme” e “rótivaile”.

Neste sábado (26), pelo menos duas feiras serão realizadas na capital paulista, entre 10 e 16h. A da Uipa ficará montada ao lado do Shopping D, na Marginal Tietê, número 3.200. Já a do Clube Vira-Latas ocorrerá na rua Schilling, 51, na região da Vila Leopoldina. Todos os animais foram castrados, vermifugados e estão prontos para serem adotados.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.