Moradores do Sul, Sudeste e Centro-Oeste devem adiantar relógios em 1 hora na madrugada de sábado para domingo

O horário de verão começa à zero hora deste domingo (20), e termina à zero hora de 16 de fevereiro. Na madrugada deste sábado (19) para domingo, moradores dos Estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País devem adiantar os relógios em uma hora.

Conheça a nova home do Último Segundo

Em São Paulo, os serviços da EMTU, do Metrô e da CPTM funcionarão até as 2 horas do novo horário. No Metrô, a reabertura das estações acontecerá no horário tradicional, às 4h40, já com os relógios devidamente ajustados. A CPTM retoma as operações às 4h, também considerando o horário novo.

Saúde: Prepare-se para o horário de verão

Leia também:  Aprenda a evitar o mau humor e a preguiça no horário de verão

Economia

De acordo com o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Ildo Grüdtner, com o horário de verão, os Estados conseguem reduzir o consumo em 0,5%, além da demanda por energia no horário de pico, entre 19h e 21h.

À meia-noite de hoje é dia de atrasar os relógios em uma hora, como o da Estação de Trem Júlio Prestes, em São Paulo
Futura Press
À meia-noite de hoje é dia de atrasar os relógios em uma hora, como o da Estação de Trem Júlio Prestes, em São Paulo

Nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, em termos de consumo, a economia será de 194 MW médios, o equivalente a 25% do consumo mensal de energia da cidade de Brasília. Já demanda por energia no horário de pico deve cair 4,6%, ou 2.065 MW.

No Sul, a economia do consumo de energia será de 53 MW médios, o equivalente a 75% do consumo mensal de energia da cidade de Curitiba. A demanda deve cair 5%, ou 630 MW.

Segundo Grüdtner, os ganhos com o horário de verão têm sido semelhantes nos últimos anos. "Em termos porcentuais, a demanda costuma cair entre 4,5% e 5%, e o consumo de energia, em média, 0,5%", disse.

Esse é o 38º ano em que o governo adota o horário de verão. Com isso, as empresas de geração e transmissão evitam investimentos da ordem de R$ 4,6 bilhões. Além disso, há uma redução na necessidade de geração da energia gerada pelas usinas térmicas, o que gera uma economia estimada de cerca de R$ 400 milhões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.