Rebelião deixa ao menos 9 mortos e 20 feridos em penitenciária do Maranhão

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Tumulto é um dos mais graves já registrados no Estado; em 2010, 18 presos morreram no mesmo complexo

Uma rebelião terminou com ao menos nove detentos mortos na Casa de Detenção de Pedrinhas, o maior complexo penitenciário do Maranhão, na noite de quarta-feira (9), de acordo com a Secretaria de Estado de Justiça e Administração Penitenciária (Sejap). Mais de 20 presidiários ficaram feridos e foram encaminhados para o hospital Clementino Moura, conhecido como Socorrão.

Conheça a nova home do Último Segundo

Reproduçao TV Globo
Parentes se desesperam no portão da penitenciária durante a rebelião

Ainda durante a noite de quarta-feira, a Sejap havia divulgado que 13 detentos haviam morrido na confusão, mas nesta manhã o número caiu após ser detectada duplicidade na contagem dos corpos.

As nove mortes foram confirmadas pelo governo do Estado na manhã desta quinta-feira (10). Em nota, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Sejap), informa que já foram iniciadas as investigações para apurar as causas do motim. A Secretaria Estadual de Direitos Humanos, Assistência Social e Cidadania (Sedihc) acompanha o caso.

Esta é uma dos maiores rebeliões registradas no Estado. Em 2010, 18 presos foram mortos durante motim neste mesmo complexo.

Leia também:
Presos criam "Primeiro Comando do Maranhão"

Em nota, a Sejap afirma que, de acordo com informações preliminares, a rebelião teria sido causada pela guerra de facções no presídio e o desmonte do bando conhecido como Bonde dos 40, um dos maiores do Maranhão, com a prisão de 16 integrantes nesta semana, em ação da polícia em São Luís.

Conflito
O tumulto começou por volta das 22h30, depois que a polícia descobriu um túnel em um dos pavilhões. Houve uma briga entre as facções rivais Primeiro Comando do Maranhão (PCM) e o Bonde dos 40, que teve três integrantes assassinados no dia 1º de outubro. 

A situação só foi controlada por volta da 0h30, após a chegada do batalhão de choque. Mas o clima de tensão se espalhou pela cidade. Quando policiais militares e agentes penitenciários ainda tentavam controlar o tumulto, integrantes do Bonde dos 40 incendiaram oito ônibus em diferentes bairros de São Luís. A ordem para as ações partiu de dentro do presídio.

O clima ainda é tenso em São Luís nesta quinta-feira. O policiamento foi reforçado e a situação em Pedrinhas ainda inspira cuidados rigorosos para evitar novas explosões de violência. No início da manhã, o batalhão de choque ainda atuava na redistribuição dos presos no complexo.

Pedidos de investimento
A procuradora-geral de Justiça, Regina Lúcia de Almeida Rocha, reuniu-se na segunda-feira (2), com a secretária nacional de Segurança Pública, Regina Minc, na sede do Ministério da Justiça, em Brasília, para debater a situação do sistema de segurança pública estadual. A representante do Ministério Público pediu o investimento do governo federal em ações que previnam a violência e combatam a impunidade.

No mês passado, o governo maranhense pediu o apoio do governo federal para combater a violência. Solicitou que, em caráter emergencial, o Maranhão fosse incluído no Programa Brasil Mais Seguro, que integra o Plano Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça. O programa visa, entre outras coisas, a combater as organizações criminosas e a melhoria do sistema prisional. Segundo o ministério, a solicitação ainda não foi atendida, o que deve ocorrer em breve.

Veja o vídeo:


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas