Protestos de médicos não devem afetar atendimento na maior parte do País

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Rio Grande do Norte terá paralisação por 24h. No Ceará, atendimento médico será suspenso durante uma hora

As manifestações de médicos previstas para esta terça-feira (8) em vários Estados do País não deverão afetar o atendimento médico. Segundo a Federação Nacional dos Médicos (Fenam), haverá paralisação nas unidades médicas apenas no Rio Grande do Norte e no Ceará. 

Leia também: Governo estuda medida provisória para garantir registros a médicos estrangeiros

Futura Press
Protesto de médicos realizado no Rio de Janeiro contra o programa Mais Médicos

Segundo o Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte, a paralisação ocorrerá por 24h em todos os hospitais da rede pública e privada. Só funcionarão serviços de urgência e emergência. Por volta das 10h, um grupo de médicos realizará uma caminhada pelas ruas do centro de Natal.

Já no Ceará, a previsão é de que haja uma paralisação - que deve durar uma hora - em todos os hospitais às 15h. De acordo com a Fenam, não haverá manifestação.

Mais:
Reprovado um dos 682 inscritos com diploma estrangeiro
Mais Médicos confirma adesão de 672 profissionais na segunda etapa

No Rio de Janeiro, os médicos farão um protesto em frente ao prédio da Secretaria Estadual de Saúde, no centro da cidade, mas não haverá paralisação. Em Mato Grosso, haverá uma manifestação itinerante pelas unidades médicas do Estado. Em Roirama, manifestantes trocarão o avental branco por roupas pretas e farão uma caminhada para explicar para a população sobre os problemas da Medida Provisória do programa Mais Médicos. Na Bahia, há uma manifestação marcada para às 16h, no Largo da Ondina.

Um grupo de 15 médicos do Estado de Pernambuco deverá ir para Brasília acompanhar a votação da Medida Provisória. Segundo informações do Sindicato dos Médicos de São Paulo, o Estado não irá aderir aos protestos e o atendimento médico funcionará normalmente. 

As manifestações são consequência da votação da Medida Provisória do programa Mais Médicos que ocorrerá nos próximos dias 8 e 9 de outubro. Se for aprovada, os registros provisórios serão feitos pelo Ministério da Saúde e não mais pelos conselhos regionais.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas