Após quase 60h, bombeiros controlam incêndio químico em Santa Catarina

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Fogo foi extinto no início desta manhã em São Francisco do Sul. Ao todo, operação usou 1,5 mi de litros de água

O Corpo de Bombeiros de Santa Catarina informou nesta manhã de sexta-feira que o incêndio químico em São Franciso do Sul, cidade ao norte do Estado, foi extinto. Após quase 60 horas do incidente, o fogo foi controlado por volta das 8 horas. O trabalho agora é eliminar a fumaça tóxica do local, que já perde força após o resfriamento do armazém.

A operação: Bombeiros ainda trabalham para apagar incêndio em SC
Ferido: Bombeiro inala fumaça em São Francisco do Sul e fica em estado grave
Risco: "Afetados por fumaça em SC devem ser monitorados no longo prazo"

Imagem registrada nesta manhã de sexta-feira mostra avanço no combate ao incêndio em Santa Catarina. Foto: Divulgação/BombeirosArmazém de fertilizantes que foi atingido pelo fogo na terça-feira, dia 24. Foto é de 27/09. Foto: Divulgação/BombeirosFumaça tóxica do incêndio começou a perder força nesta sexta-feira (27). Foto: Divulgação/BombeirosFumaça se espalha e obriga moradores a evacuar a região do porto da cidade de São Francisco do Sul (SC). Foto: Futura PressIncêndio em depósito com carga de fertilizante à base de nitrato de amônio criou densa fumaça . Foto: Fabio Santos/Futura PressIncêndio em depósito com carga de fertilizante à base de nitrato de amônio criou densa fumaça. Foto: Futura Pressmaterial químico está sendo retirado pelas equipes e transportado por caminhões para um pátio. Foto: Futura PressCerca de 70 bombeiros voluntários integram a força-tarefa. Foto: Futura PressAcidente ocorreu por volta das 22h de terça-feira (24), no galpão de uma fábrica de fertilizantes em São Francisco do Sul. Foto: Futura Press

Segundo a prefeitura municipal, a força-tarefa conseguiu alcançar o foco da reação química e inundar a área por volta das 6h30 de hoje. Durante a operação, foi usado aproximadamente 1,5 milhão de litros de água. Neste momento, as equipes trabalham para fazer a limpeza do local.

Representantes de órgãos ambientais, como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama), farão a avaliação das condições atmosféricas para definir quando a região será liberada para que moradores retornem às suas casas. Por enquanto, está mantida a área de isolamento em um raio de 1 quilômetro.

Divulgação/Bombeiros
Fumaça tóxica provocada pelo incêndio começou a perder força nesta sexta-feira (27)

O acidente ocorreu por volta das 22h de terça-feira (24), no galpão de uma fábrica de fertilizantes, no bairro Paulas. A prefeitura de São Francisco do Sul chegou a decretar situação de emergência para acelerar as ações de assistência à população. A região atingida  precisou passar por um processo de evacuação.

A Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil de Santa Catarina, além de outros órgãos municipais e estaduais, montaram uma operação integrada para atuar no incêndio. Como havia mais de dez mil toneladas de nitrato de amônia no local, a força-tarefa encontrava dificuldades para retirar a substância que provocava a nuvem de fumaça.

O grupo utiliza retroescavadeiras na operação, além de uma barreira de contêineres para direcionar o vento e diminuir o risco de os trabalhadores inalarem a fumaça no local. Um muro de contenção também foi construído para depositar a água usada no combate ao incêndio, com o objetivo de evitar a contaminação do meio ambiente.

Investigação

A presidente Dilma Rousseff mostrou preocupação com o caso e com a extensão dos danos provocados pela explosão e sugeriu a ação da PF. Dilma ligou para o ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, e pediu a abertura da investigação.

Na terça-feira (24) Ideli fez um sobrevoo da área da explosão, acompanhada do Secretário Nacional de Defesa Civil, Humberto Viana, e do secretário de Proteção Civil e Segurança Pública de Joinville, Francisco José da Silva.

De acordo com a Secretaria de Relações Institucionais, a ministra também conversou com a presidente da Petrobras, Graça Foster, que colocou à disposição da prefeitura funcionários e equipamentos para contenção de acidentes.

*com AE e Agência Brasil

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas