Governo muda regra para permitir que médicos estrangeiros trabalhem sem registro

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Alteração no relatório do deputado Rogério Carvalho (PT-SE) só passa a valer se for aprovada no Legislativo

Agência Estado

O governo patrocinou uma mudança na Medida Provisória que institui o programa Mais Médicos para permitir a atuação de médicos estrangeiros e brasileiros formados no exterior sem registro provisório. A alteração, incluída em relatório apresentado nesta quarta-feira (18) em comissão mista do Congresso, só passa a valer se for mantida no texto final quando o Legislativo concluir a tramitação.

Na segunda etapa, Mais Médicos confirma adesão de 672 profissionais

O texto original da MP, já em vigor, exige o registro provisório e dá aos Conselhos Regionais de Medicina um prazo de 15 dias para a emissão após a apresentação de uma declaração de participação no programa emitida pela coordenação do Mais Médicos. Alguns conselhos, porém, acionaram a Justiça para não serem obrigados a cumprir esta norma. Com a mudança proposta no relatório do deputado Rogério Carvalho (PT-SE), a atuação do profissional com diploma emitido no exterior passa a ser autorizada no momento em que ele protocola o pedido do registro provisório.

Mais de 70% dos brasileiros aprovam vinda de médicos estrangeiros

Médicos estrangeiros chegam aos Estados, mas disputas ameaçam programa

Governo deve ir à Justiça para conseguir registro de médicos estrangeiros

Agência Brasil
Rogério Carvalho é próximo do ministro da Saúde (foto) e debateu com ele cada mudança no relatório

Carvalho é próximo do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e debateu com ele cada mudança no relatório. Até agora, nenhum dos 682 médicos formados no exterior recebeu o registro provisório. Além de brigas judiciais para obrigar a concessão de registros imediatamente, o governo resolveu adotar o caminho legislativo principalmente para resolver o problema futuro. A previsão é de iniciar a votação na comissão na próxima semana e concluir a tramitação da MP até o fim de outubro.

O parecer estabelece uma cota para a atuação de médicos estrangeiros no programa de 10% do total de médicos brasileiros em atuação no Sistema Único de Saúde (SUS), além de dar prazo de dez anos para melhorar a estrutura das unidades básicas de saúde.

O texto prevê que ao menos 30% da carga horário de internato médico na graduação em Medicina seja desenvolvida na atenção básica e em serviço de urgência e emergência do SUS, com um mínimo de dois anos. Os programas de residência terão até 2018 para ofertar vagas para todos os graduados no ano anterior e terão uma avaliação específica. Haverá ainda durante a graduação uma avaliação aplicada a cada dois anos em um chamado "teste de progresso".

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas