Diante da mulher nua, pergunto se é “friboi”?

Por Paulo Ghiraldelli - especial para o iG |

compartilhe

Tamanho do texto

Para o filósofo, a “mulher linda” é a mulher para os olhos e a “mulher gostosa” é a mulher para as mãos

Há a beleza para os olhos e há a beleza para as mãos. Podem coincidir, mas em geral elas aparecem separadas tanto para o homem quanto para a mulher.

A “mulher linda” é a mulher para os olhos, a “mulher gostosa” é a mulher para as mãos. A “mulher linda” é uma peça estética, a “gostosa” é um elemento erótico-sexual. A “linda” não tem rugas e pequenos defeitos, mas eventualmente pode se dar ao luxo de carregar ambos. Patrícia Pilar sempre foi linda, mesmo exibindo dentes tortos e nariz adunco. A “gostosa” precisa ter rugas e pequenos defeitos, e pode ficar melhor se a natureza caprichar nos defeitos. Vera Fischer é hoje uma mulher pesada, sardenta, com rugas e marcas e com um sorriso que entorta um pouco a boca – por isso mesmo está mais “gostosa” ainda.

Os americanos distinguem esses dois tipos de que estou falando chamando a “linda” de “sexy girl” ou simplesmente “hot”. Em geral é a mulher jovem, e às vezes se apresenta sob o modelito universitário ou colegial. Dentro desse tipo tem aquela que é para o quarto ou para a farrinha de escola, e pode então exibir uma barriguinha, e tem outra que é para a passarela e até cinema, que não vai apresentar barriga e manterá as chamadas “proporcionalidades ótimas”. Chamam a “gostosa” de “sexy cougar”, a mulher madura já com seios mais avantajados, mais peso, mas que não perdeu as formas. Dentro desse tipo cabem variações, pois sendo este o campo de defeito por excelência, então é nele que a natureza fica livre para a criatividade, de modo que uma barriga pode agradar tanto quanto uma barriguinha.

Adornos intelectuais e morais ajudam uma mulher se ela é “linda” ou “gostosa”. Poder de comando no trabalho, na vida em geral e mesmo na política, agora, também colaboram. Alteram a postura, o modo de andar, falar e olhar. Mas não é isso tudo que rege diretamente a influência sobre o que é ser “linda” e o que é ser “gostosa”. A regência direta se faz pelo saber-se “linda” e saber-se “gostosa”. A mulher que sabe o que ela representa para os olhos e mãos dos que a observam, sejam homens ou mulheres, acentua instintivamente suas características que a fazem cair num campo ou noutro. Não é só por feedback positivo, não, pois se fosse só isso seria como é para tudo. Afinal, tendemos a fazer o que se espera de nós. Mas o que eu digo é diferente. Falo da mulher que sabe de seu potencial de um modo tal que é capaz de acentuá-lo de acordo com estratégias de sedução adrede preparadas. Uma “cougar” de seios avantajados pode abusar de um decote, em alguns momentos, quase que tangenciando o vulgar, mas sem perder aí o “quase”. Uma “hot” alta pode abusar dos saltos, em alguns momentos, quase que tangenciando o perigo de ficar sem parceiro em uma festa.

A arte da sedução, exercida pela mulher, depende sempre desse “quase”. Em certas condições sociais, a busca pelo vulgar, incômodo e exagerado, sempre tem um ponto ótimo. Um ponto que dista do alvo segundo uma medida mágica, sendo que o alvo é o vulgar, o incômodo e o exagerado. Ou seja, o alvo é podre, mas o fruto é delicioso um milímetro antes da região ruim. Quem atinge esse ponto conscientemente (e não o alvo) dá um passo decisivo na profissão de sedutora. Aperfeiçoar isso, para realmente seduzir, então, depende do movimento corporal. Nesse caso, as mulheres podem ser divididas em “soft” e “hard”. As primeiras desfilam, são leves, se movimentam com facilidade e posam sem posar. As segundas possuem movimentos mais toscos, e se posam até podem salvar um pouco a situação – posar estaticamente é sempre um erro, que pode se transformar em paliativo para quem andando é um desastre. Uma coisa é certa, nos dois casos, ou se aprende a andar de salto ou dificilmente será mulher.

Mulher sem salto é sempre uma entidade a caminho de alguma coisa, mas se vai chegar, ninguém sabe. Não se garante a uma mulher sua condição feminina, que é o básico para terminar sua educação filosófica como sedutora, se ela não sabe andar de salto naturalmente. Afinal, só um homem fora da sua condição masculina, e com o cérebro bem danificado pela adoção dogmática de alguma doutrina política, faria espontaneamente sexo com uma mulher de tênis, “rasteirinha” ou coisa do tipo. Um homem de gosto, inteligente e livre, não faz isso.

Mulher fora dos saltos é para dirigir carro. Para ser dirigida pelos cabelos, é com salto. Nesse segundo caso é que se pode perguntar se é “friboi”, mas só em pensamento. Também o machismo tem o seu “quase”.

* Paulo Ghiraldelli, 56, filósofo, escritor, cartunista e professor da UFRRJ – http://ghiraldelli.pro.br

Leia tudo sobre: Paulo Ghiraldelli Jr.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas