STF adia julgamento de acusado de ser mandante da Chacina de Unaí

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Marco Aurélio Mello decidiu adiar o júri até que o plenário do Supremo analise um pedido para transferir o julgamento para a Justiça Federal em Unaí, local do crime

Agência Brasil

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta segunda-feira (16) adiar o julgamento do fazendeiro Norberto Mânica, acusado de ser um dos mandantes do assassinato de três auditores fiscais e de um motorista do Ministério do Trabalho. O crime ocorreu em 28 de janeiro de 2004, na cidade de Unaí (MG), e ficou conhecido como Chacina de Unaí. O julgamento estava previsto para ocorrer amanhã (17), em Belo Horizonte (17).

Leia mais:

Justiça Federal condena três réus por participação na Chacina de Unaí

Silva: Réu da chacina de Unaí confessa ter atirado nas vítimas

Testemunhas reforçam acusações aos réus no julgamento da Chacina de Unaí 

Acusado diz que fazendeiro foi mandante dos crimes da chacina de Unaí

Passados nove anos, Justiça começa a julgar réus da chacina de Unaí

Marco Aurélio decidiu adiar o júri até que o plenário do Supremo analise um pedido feito pela defesa de Mânica para transferir o julgamento para a Justiça Federal em Unaí, onde o crime ocorreu. “Deve-se aguardar o crivo do colegiado. Havendo designação do Júri para o dia de amanhã, às 9h, impõe-se deferir a medida acauteladora, evitando-se, quem sabe, atividade judiciária inútil”, disse o ministro.

No dia 31 de agosto, a Justiça Federal de Belo Horizonte condenou três réus acusados de participação no assassinato. Erinaldo de Vasconcelos Silva, Rogério Alan Rocha Rios e William Gomes de Miranda foram condenados por homicídio triplamente qualificado e formação de quadrilha. A maior pena foi para Rios: 94 anos de reclusão em regime fechado.

Leia tudo sobre: chacina de unaíminas gerais

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas